Os anéis de Saturno #HojeÉDiadeCiência

sexta-feira, 25 maio 2018
Marte, Júpiter e Saturno alinhados.

Saturno é famoso pelo belo sistema de anéis brilhantes que lhe envolve, facilmente visíveis com um telescópio amador, cuja origem ainda envolve mistérios

Durante este mês é possível ver Júpiter, Saturno e Marte a olho nu nas primeiras horas da noite. Eles quase formam uma linha no céu, com Júpiter mais alto e Marte ao final.

Saturno é famoso pelo belo sistema de anéis brilhantes que lhe envolve, facilmente visíveis com um telescópio amador. Embora não seja o único planeta do Sistema Solar a possuir anéis, os de Saturno despertam interesse não só pela beleza evidente, mas pelo mistério que ainda envolve sua origem.

Possíveis origens

Uma hipótese sugere que um antigo satélite de Saturno tenha se aproximado demais do planeta, sendo despedaçado pela força de gravidade, também chamada “força de maré” (numa analogia com a força gravitacional da Lua, que provoca a alternância das marés na Terra e deforma a crosta).

Os fragmentos remanescentes foram pouco a pouco se dispondo ao longo do plano do equador de Saturno. Aliás, essa é uma disposição natural, verificada também nos demais planetas gigantes gasosos do Sistema Solar. Fragmentos que venham a se acumular ao longo de um plano inclinado em relação ao equador de um planeta simplesmente não se manteriam estáveis: ou acabariam sendo expulsos para longe ou sendo “engolidos” pelo planeta.

Marte, Júpiter e Saturno alinhados

 

Há quem diga que os anéis surgiram de uma lua que explodiu – embora não se conheça um meio pelo qual luas e planetas possam explodir, senão na ficção cientifica! A hipótese preferida no meio científico é aquela que defende que o tal satélite simplesmente nunca chegou a se formar.

Bilhões de anos atrás, quando Saturno ainda nascia em meio as nuvens de hidrogênio e outros elementos remanescentes da formação do Sol, formaram-se também suas principais luas, igualmente pela agregação de material pela ação da força gravitacional. Foi quando um satélite “tentou” se constituir muito próximo de Saturno e foi despedaçado. Os fragmentos que sobreviveram restaram como os anéis.

DVD ultrafino

Os anéis de Saturno tem cerca de 275 mil quilômetros da largura por somente 1 km de espessura. Reduzido às proporções de um DVD, seria o mesmo que um disco com menos que 1 mícron de espessura, ou seja, menos que 1/1.000 de milímetro.

Fragmentos de cristais e rochas formam os anéis de Saturno

Os anéis de Saturno são formados por uma miríade de cristais de gelo e rocha e por isso brilham muito mais que os anéis de Júpiter, Urano ou Netuno. No caso destes, é possível que quando o Sistema Solar ainda estava em formação, centenas de milhares de fragmentos rochosos tenham sido repelidos das proximidades do Sol, ainda jovem, e a força de gravidade desses gigantes aprisionou parte deles, formando anéis de natureza distinta e menos brilhantes.

Na tabela a seguir, algumas informações sobre sistemas de anéis planetários no Sistema Solar:

*Valor mínimo. Netuno também possuí um conjunto de arcos, e Júpiter, um halo.

 

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Leia o texto anterior: O intrigante sistema Capella

 

José Roberto de Vasconcelos Costa

Os comentários estão desativados.

Site desenvolvido pela Interativa Digital