Estudo propõe melhorias para o cultivo e produção do coco

terça-feira, 29 agosto 2017

Pesquisadores da Embrapa, em Sergipe, trabalham para desenvolver um fruto híbrido que une características de dois tipos de cocos

O coqueiro anão e gigante são duas espécies encontradas em Sergipe e estão sendo estudadas por pesquisadores da Embrapa Tabuleiros Costeiros, em Aracaju (SE). O objetivo do estudo é unir as características dos dois tipos de cocos para melhorar a produção e gerar mais renda para o produtor.

O supervisor do projeto, Leandro Eugenio Cardamone Diniz, explica que tanto o coqueiro anão quanto o coqueiro gigante fazem parte de uma mesma espécie, a Cocus lucífera. Sergipe possui as duas variedades, sendo que o coqueiro anão alcança três metros de altura e tem como foco a produção para o consumo da água de coco. Já o coqueiro gigante, alcança entre 20 a 30 metros de altura. O coco produzido pelo coqueiro gigante tem uma alta produção de albume, a parte branca do coco, utilizada pela indústria na produção de coco seco, leite e óleo. A Embrapa vem trabalhando nos últimos anos com a produção do coco híbrido, tentando realizar o cruzamento do coqueiro anão com o gigante. “Essa produção possibilitaria ter como resultado o híbrido tendo uma produção tanto da água quanto da parte do albume. Só que o problema do híbrido é que obviamente ele não vai crescer só até três metros como o coqueiro anão, então depende de um programa de melhoramento para que você tenha as características de interesse do fruto numa planta que não passe de oito a 10 metros”, explica.

O supervisor do projeto, Leandro Eugenio, explica que a Embrapa possui dois bancos ativos de germoplasma. O primeiro banco foi no município de Neópolis, no Betume, mas por conta da distância e pela escassez de água os pesquisadores fizeram uma amostragem e transferiram esse material para Itaporanga d’Ajuda.

Produzir mais e melhor

A coordenadora do projeto, Tatiana Santos Costa, destaca as etapas do processo. “Primeiro vem a seleção das plantas onde é feita a coleta da folha e trazida para laboratório para fazer a limpeza, cortar e fazer a extração do material genético. Depois a gente faz a padronização desse material genético e a análise do DNA, e por fim a avaliação de melhoria”.

O supervisor Leandro Eugenio ressalta que o objetivo é reduzir o número de plantas em campo, e com isso reduzir o custo de manutenção e indicar as melhores plantas para que o programa de melhoramento possa usar para a produção de novas cultivarias.

“A partir do momento que você tem novas cultivarias, mais adaptadas e mais produtivas o produtor acaba tendo um maior ganho de renda, então ele consegue produzir mais e ter uma melhora na condição de vida”, explica Leandro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital