Pesquisadores investigam relação entre gravidez na adolescência e a saúde da mulher

sexta-feira, 4 agosto 2017

Equipe da UFRN está convidando adolescentes e adultas grávidas da região do Trairi a participar do estudo

A gravidez na adolescência gera uma repercussão na saúde das mulheres na meia-idade e na velhice. “Pessoas que relataram que tiveram filhos antes de 18 anos tinham mais doenças crônicas, como problemas de desempenho muscular, questões pulmonares, hipertensão e diabetes”, afirma a professora Saionara Maria Aires da Câmara, da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairí (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e coordenadora do projeto AMOR, sigla para Adolescence and Motherhood Research (Pesquisa sobre Adolescência e Maternidade, em tradução literal).

A coordenadora destaca o ineditismo da temática. “Fala-se muito da gravidez na adolescência na vida da menina naquele momento, mas não se estuda tanto a repercussão no futuro”, ressalta. O interesse pelo tema surgiu dos resultados de pesquisas realizadas pela própria coordenadora durante o doutorado no Departamento de Fisioterapia da UFRN, e de uma análise multicentro que reuniu pesquisadores do Canadá, da Albânia, do Brasil e da Colômbia. O estudo possui uma parceria internacional com a Universidade do Havaí (EUA) e tem financiamento do estadunidense National Institute of Health (Instituto Nacional de Saúde, em tradução literal).

ires explica que há várias hipóteses para examinar essa relação. Uma delas está ligada a questões sociais. “Meninas grávidas na adolescência têm menos oportunidades de vida, largam a escola, e dificuldades financeiras levam a ter menos cuidado com a saúde”, destaca. Outra possibilidade está associada ao estresse. “O estresse tem efeito na saúde das pessoas e pode ser algo gerado no próprio momento da gravidez que pode afetar o corpo no futuro”, aponta. Há ainda a preocupação com as mudanças físicas. “O corpo da adolescente não está formado, então pode haver alterações corporais que prejudiquem a saúde dela no futuro”, relata.

Pesquisa

Para investigar os caminhos que fazem com que a gravidez na adolescência se relacionem com desfechos adversos, os pesquisadores vão comparar dados de saúde de 100 gestantes. São 50 grávidas adolescentes, com idade entre 13 e 18 anos, e 50 gestantes adultas jovens, 23 a 28 anos, faixa etária considerada ideal para engravidar.

Os dois grupos serão acompanhados por quase um ano. As avaliações serão realizadas no início da gestação, no último trimestre de gravidez e seis semanas após o parto. Nesses encontros serão coletados dados sobre a saúde das participantes, bem como medidas físicas, gordura corporal, dor pélvica, apoio social, relação com a família, exames de sangue e de urina. “A gente vai ver como se comportam os dois grupos ao longo da gravidez e no pós-parto para tentar identificar alterações que justifiquem problemas no futuro”, explica Saionara Aires.

A coordenadora conta que esse é um estudo piloto, com poucas pessoas, mas que a finalidade é fazer um projeto maior.  “A intenção é pegar um grupo de adolescentes da região e acompanhar por muitos anos. Um projeto que dure bastante tempo, para ver o que acontece com essas mulheres”, enfatiza.

Formação

O Projeto AMOR  tem também um segmento educativo. “A gente quer deixar um legado para a instituição”, conta a coordenadora. A meta é treinar estudantes da região a fazer pesquisas de maneira adequada.

No primeiro semestre de 2017, professores da Facisa e da Universidade do Havaí ministraram um curso para alunos da Facisa com treinamento sobre ética, coleta de dados, exames clínicos e laboratoriais. Após o término da capacitação, os dez alunos com melhores resultados foram selecionados para participar da pesquisa, que também possui mestrandos e doutorandos vinculados.

Resultados

O Projeto AMOR também pretende contribuir com gestores a pensar em estratégias para melhorar a saúde da população. “Se a gente descobrir o que faz essas adolescentes serem piores de saúde por causa da gravidez, a gente pode ajudar os gestores a embasar políticas para que, embora haja a gravidez na adolescência, não exista problemas de saúde no futuro relacionados a essa gravidez”, defende Saionara Aires.

Além disso, a coordenadora acredita que  o esclarecimento sobre as doenças possa ajudar a prevenção da gravidez na adolescência. “Saber sobre as alterações no corpo pode aumentar a consciência das jovens para evitar a gravidez”, alega.

Participação

Na fase atual, o Projeto AMOR está em busca de gestantes para participar do estudo. O perfil são grávidas, entre 13 e 18 anos e 23 a 28 anos, que morem nas cidades de Santa Cruz, Tangará, Campo Redondo, Lajes Pintadas e São Bento do Trairi.

Interessadas podem ligar para o telefone (84) 99637 6159 ou realizar o cadastro na enfermaria da Unidade Básica de Saúde (UBS) dos municípios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital