Unindo forças Políticas de C&T

segunda-feira, 27 novembro 2017

Fundações de Amparo à Pesquisas terão ações conjuntas voltadas à ciência e à inovação

Em tempos de crise o lema “a união faz a força” pode ser um caminho para viabilizar projetos, principalmente na área da pesquisa científica e tecnológica. Foi com esse pensamento que presidentes de Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) de 22 estados brasileiros assinaram um memorando de entendimento para cooperação que viabilizará iniciativas conjuntas em pesquisa científica e tecnológica e ações voltadas à inovação. A proposta, com validade de cinco anos, permitirá arranjos entre duas ou mais Fundações em chamadas para financiamento de projetos de interesse comum e intercâmbio de pesquisadores. Cada uma das FAPs avalia a proposta segundo seus critérios e as iniciativas aprovadas terão financiamento compartilhado.

As FAPs do nordeste já realizam acordos com instituições internacionais, experiência que será importante para as novas parcerias. Para o diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal), Fábio Guedes Gomes, o acordo de cooperação mútua entre as Fundações Estaduais de Amparo à pesquisa institui uma parceria mais efetiva entre as Fundações. “Isso envolverá o intercâmbio de experiências, documentos importantes que auxiliam na formulação de políticas e pareceres técnico-jurídicos e o intercâmbios de membros da comunidade científica que são apoiados e fomentados pelas respectivas Fundações. É mais uma iniciativa de contornar a crise nacional no sistema e integrar nossos esforços”, avalia.

Os projetos conjuntos de pesquisa, de acordo com o memorando de entendimento, serão conduzidos por cientistas das regiões signatárias e as atividades de intercâmbio científico, que incluirão workshops e seminários multilaterais, devem ter como objetivo preparar as bases para projetos cooperativos. A mobilidade terá foco em jovens cientistas, em nível de pós-doutorado e de pós-graduação.

Cada uma das FAPs signatárias do acordo divulgará entre seus pesquisadores as diretrizes para submissão de propostas que serão avaliadas de acordo com seus critérios e normas. A FAP que receber proposta de pesquisa cooperativa comunicará à outra parte. Os projetos aprovados pelas partes serão então apoiados. Cada uma das FAPs financiará o custo da pesquisa que couber aos pesquisadores de sua região.

Experiência internacional

O professor Luiz Drude, diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Ceará (Funcap) explica que já existem acordos de cooperação internacionais sendo realizados nas áreas de Engenharia e Tecnologia da Informação, Saúde, por exemplo. “Atualmente temos parcerias com o Conseil National de Recherche Scientifique (CNRS), da França, o Medical Research Council (MCR), do Reino Unido, e a Fundação de Ciência e Tecnologia (FCT), de Portugal”, ressalta.

Ainda de acordo com ele são muitos os benefícios com essas parcerias. “Os principais benefícios são o incentivo à internacionalização da pesquisa realizada por instituições de ciência e tecnologia do Ceará e a facilitação da mobilidade do seu corpo discente e docente”, aponta. Ele espera que essa experiência internacional seja útil nos projetos conjuntos entre os estados do nordeste.

A expectativa é que a adesão de várias instituições a um mesmo projeto de pesquisa tenha impacto positivo também nas solicitações de financiamento às agências de fomento federais, como a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e confira peso às iniciativas que envolvam recursos de organismos externos, como a União Europeia ou a Rede Franco Brasileira de Fomento à Pesquisa para o Nordeste, exemplificou Alex Oliveira Souza, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão.

“O memorando de entendimento nos dá um guarda-chuva em relação a esses acordos, além da possibilidade de fazer editais conjuntos”, disse Souza, citando projetos relacionados à agricultura familiar, bioenergia, biotecnologia e temas relacionados à “questão oceânica”.

A proposta de cooperação foi apresentada pelo conselho técnico da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo) durante o Fórum do Conselho Nacional das FAPs (Confap), realizado em Goiânia de 8 a 10 de novembro. A expectativa é que todas as 26 Faps integrates do Confap assinem o termo.

 

Edna Ferreira com informações da Agência Fapesp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital