Logo Nossa Ciência

Divulgação científica é o nosso negócio.

Terça, 22 de Agosto de 2017

#HojeÉDiadeCiência Terça, 16 de Maio de 2017

O micro-ondas doméstico: 50 anos de comida requentada

O micro-ondas doméstico: 50 anos de comida requentada

Olá pessoal! Em 1967, 50 anos atrás, chegaram ao mercado os primeiros micro-ondas domésticos e para celebrar esse avanço tecnológico que facilitou a vida de muitos, vamos entender como funcionam os aparelhos de micro-ondas.

A descoberta

A descoberta do uso da radiação de micro-ondas para aquecer alimentos aconteceu por acaso, quando um engenheiro chamado Percy Spencer, funcionário de uma empresa de radares, percebeu que a barra de chocolate que estava em seu bolso havia derretido quando este trabalhava em um magnetron ligado. Imaginando que a culpa seria do aparelho, ele colocou alguns grãos de milho na frente de um magnetron ligado e acabou fazendo pipocas! O mesmo teste foi feito com um ovo e o resultado foi uma enorme sujeira!

Magnetron, o coração do micro-ondas

A radiação é gerada pelo magnetron, um tubo de vácuo com um filamento de tungstênio, semelhante ao das lâmpadas antigas, em seu interior. Este filamento aquecido aliado a um imã geram um “circulo de elétrons” que ao passarem pelas paredes metálicas do magnetron fazem com que os elétrons nesta “vibrem” emitindo micro-ondas.

Como ele aquece o alimento?

A energia fornecida pelo magnetron vai atuar em uma molécula presente em quase todos os alimentos que comemos: a água!

A água é uma molécula polar, o que significa que ela possui uma parte “mais positiva” e uma parte “mais negativa” em sua estrutura, devido aos seus ângulos de ligação e a eletronegatividade dos elementos oxigênio e hidrogênio. A energia fornecida pelo micro-ondas está na forma de ondas eletromagnéticas, que como toda onda, oscila entre picos e vales. A molécula de água passa a se “alinhar” com essas oscilações, mudando sua posição cerca de 2,45 bilhões de vezes por segundo! Isso causa fricção entre as moléculas e também há liberação de energia quando as interações entre moléculas de água são quebradas, todo esse efeito é macroscopicamente percebido como calor!

A radiação do micro-ondas causa câncer?

Não, o único dano que a radiação na faixa das micro-ondas pode causar é uma queimadura e isso só será possível se você abrir seu aparelho e este continuar funcionando! Nos dispositivos atuais isso é pouco provável já que a fonte de radiação para quando abrimos a porta, mesmo antes do tempo ter terminado.

A razão pela qual as micro-ondas não causam câncer está ligada a uma propriedade física, o comprimento de onda. O comprimento de onda é definido como a distância entre picos sucessivos de uma onda, ele se aplica às ondas que vemos, como as ondas do mar e também às ondas que não vemos, como as ondas de rádio, micro-ondas e raios-X.

A energia tem relação com o comprimento de onda, quanto maior o comprimento de onda, menor a quantidade de energia transportada por aquela onda, logo, quanto menor o comprimento de onda maior a quantidade de energia transportada pela onda.

A radiação de micro-ondas utilizada nos equipamentos domésticos não é perigosa para o nosso DNA, pois possui um comprimento de onda grande, por volta de 0,3mm, comparado aos comprimentos de onda das radiações ultravioleta, radiação cósmica e raios-X, que são comprovadamente danosas ao nosso DNA e estão relacionadas a doenças como o câncer.

Por que a radiação não passa pelo vidro?

É uma ótima pergunta, afinal não podemos ver a onda, mas vemos nosso alimento no interior do micro ondas!

Vá a cozinha e abra a porta do seu micro ondas, ela possui uma grade com pequenos furos certo? É esta grade que nos protege de uma potencial queimadura, pois seus furos são menores que amplitude das micro-ondas, impedindo a saída delas!

Fontes 

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos e-mail (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag# HojeéDiadeCiencia

Se você ainda não leu a coluna da semana passada, leia agora

Victor Farinella

Voltar página

Deixe seu comentário