A história afro-atlântica da escravidão é contada em exposição Diversidades

segunda-feira, 6 agosto 2018
Vista da exposição Histórias Afro-Atlânticas no MASP. Fonte: MASP

As obras retratam a cultura africana e o fluxo de pessoas entre a África, Américas, Caribe e Europa do século 16 ao 21

Nessa edição da coluna, o professor Ricardo Alexino Ferreira comenta sobre a exposição coletiva Histórias Afro-Atlânticas, uma parceria entre o Museu de Artes de São Paulo (MASP) e o Instituto Tomie Ohtake. A exposição retrata a história contada por negros sobre a escravidão e o fluxo de pessoas entre a África, Américas, Caribe e Europa, do século XVI ao XXI.

De acordo com o professor Alexino, a megaexposição reúne 450 trabalhos, de 214 artistas, muitos desconhecidos do grande público e até mesmo dos especialistas. Parte da mostra destaca a escravidão de negros no Brasil, que recebeu 46% dos cerca de 11 milhões de pessoas africanas trazidas compulsoriamente para o País, ao longo de quase quatro séculos. “Aconselho várias visitas à exposição, pois é uma oportunidade para se conhecer a narrativa negra sobre o processo da escravização” sugere Alexino.

Histórias Afro-Atlânticas fica aberta até o dia 21 de outubro, nos dois espaços. Parte do acervo da exposição pode ser visto nos sites do MASP ou do Instituto Tomie Ohtake.

Ouça a coluna:

A coluna Diversidades é atualizada às segundas-feiras. Ouça, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #Diversidades. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Ouça a coluna anterior: Sem estigma e preconceito

Ricardo Alexino Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital