Ao Mestre, com carinho Diversidades

segunda-feira, 15 outubro 2018

Com mais de meio século, o filme estrelado por Sidney Poitier inovou na abordagem do racismo como problema social e dentro de sala de aula

Neste 15 de outubro, Dia do Professor, a coluna Diversidades lembra o filme britânico Ao mestre, com carinho, dirigido e roteirizado por James Clavell. A obra mudou a linguagem do cinema ao fazer a junção do racismo e da educação como temáticas, em pleno 1967.

Outro aspecto da fita é ter como protagonista o ator negro Sidney Poitier, em papel de professor e engenheiro, bem diferente dos papéis destinados aos negros naquele período, quase sempre interpretando subalternos e marginais.

A música tema também é crucial na narrativa, pois representa o momento em que os alunos brancos, resistentes ao professor negro, o aceitam como mestre.

A canção, com mesmo nome do filme, foi um sucesso nas paradas musicais dos Estados Unidos, e a revista de música Billboard a reconheceu como a número um nas paradas de sucesso, em 1967.

Para o professor Ricardo Alexino Ferreira, Ao Mestre, com Carinho se tornou contemporâneo porque confronta o racismo com questões educativas.

Ouça a coluna:

A coluna Diversidades é atualizada às segundas-feiras. Ouça, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #Diversidades. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Ouça a coluna anterior: #Pela garantia dos direitos humanos para todos

Ricardo Alexino Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital