Nossa companheira de viagem #HojeÉDiadeCiência

sexta-feira, 20 julho 2018
As fases da Lua. (Fotos Públicas).

Conheçam a Lua: nosso único satélite natural. Sem ela, provavelmente, não haveria vida na Terra

A Lua é o corpo celeste mais próximo de nós, a cerca de 384 mil quilômetros. Um raio de luz do luar leva pouco mais que um segundo para chegar até nós. Nosso único satélite natural reflete até 7% da luz do Sol, o suficiente para enxergarmos o caminho numa noite de lua cheia. Para os povos eslavos, a Lua, nossa companheira de viagem pelo espaço, era casada com o Sol, mas apaixonou-se por Vênus, a estrela d’Álva, e como castigo foi despedaçada em quatro: as fases.

A Terra, com suas nuvens brancas, reflete quase seis vezes mais luz. É por isso que logo após a lua nova podemos ver um brilho pálido iluminando a parte da Lua que deveria estar no escuro: é a luz do Sol refletida pela Terra que vai até a Lua e de lá retorna para nós.

A Lua tem um quarto do diâmetro terrestre e cerca de 1% de sua massa. Parece pouco, mas na prática a Lua é tão grande em comparação com o nosso mundo que o centro de gravidade do sistema Terra-Lua não está próximo ao centro da Terra, mas a poucos quilômetros abaixo da superfície.

Graças a Lua o eixo de rotação da Terra permanece inclinado em cerca de 23 graus, o que permite a alternância das estações do ano. Se a Lua desaparecesse de repente nosso eixo de rotação passaria a oscilar loucamente, o que alteraria o clima de forma drástica, destruindo ecossistemas importantes e provavelmente aniquilando a vida no planeta.

Superfície da Lua lembra desertos terrestres. (Fonte: Google).

Céu estrelado

A Lua leva 27,3 dias para completar uma volta em torno da Terra, tomando como referência as estrelas distantes. Isso é chamado mês sideral. Se pensarmos num ciclo inteiro das fases esse tempo sobe para 29 dias e meio, porque enquanto a Lua está girando ao redor da Terra, nosso planeta também está se movendo em torno do Sol. Assim, é preciso um tempo extra para que a Lua retorne a uma mesma fase. Esse é o mês sinódico.

A superfície da Lua recorda um deserto terrestre. A areia, contudo, é clara e fina como talco e o horizonte é mais próximo, com colinas e montanhas contrastando com um céu negro em pleno dia. Isso não acontece na Terra por causa da atmosfera. Aqui, a luz do Sol, que carrega todas as cores, se difunde pelo ar, espalhando mais eficientemente a cor azul.

Na Terra é preciso esperar o anoitecer para ver o céu estrelado. Na Lua, que não possui atmosfera, estrelas são vistas mesmo durante o dia. Nem por isso aparecem com facilidade nas fotos obtidas pelos astronautas, porque têm um brilho muito inferior ao pó fino que recobre o acidentado terreno lunar.

Para que víssemos estrelas nas fotos obtidas pelos astronautas das missões Apollo seria preciso que o diafragma da máquina ficasse aberto por muito mais tempo, o que queimaria o filme por excesso de luz. Por isso aquelas fotos mostram o céu negro, enquanto os astronautas se deliciavam com a visão real de um céu maravilhosamente estrelado.

Da Terra vemos sempre a mesma face da Lua. (Fonte: Google).

Longos dias e noites

Devido à proximidade entre os dois corpos, a atração gravitacional da Terra obriga a Lua a girar sobre seu próprio eixo no mesmo tempo que completa uma revolução ao redor da Terra. Por isso o nosso satélite nos mostra sempre a mesma face, ocultando permanentemente a outra.

É dia na parte iluminada da Lua. De modo que não está certo falar em “lado escuro da Lua”, já que ambos os hemisférios são periodicamente iluminados. O certo é lado distante, ou oculto. Quando é lua nova, é dia no lado oculto, e quando vemos a lua cheia o lado oculto está na escuridão.

Dia e noite na Lua duram pouco menos que 15 dias cada um, ou seja, metade do mês sinódico. Naturalmente a Terra nunca aparece no céu do lado oculto da Lua. Também nunca nasce e se põe vista do lado visível, estando sempre no céu lunar, aproximadamente a mesma altura do horizonte.

Na próxima semana vamos contar uma história pitoresca a respeito de um dos fenômenos mais interessantes que envolvem a Lua: o eclipse. E vai ser justamente ao noitecer desta sexta, 27, que o leitor terá a oportunidade de observar na prática um eclipse total da Lua. Não perca!

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Leia o texto anterior: Marte é o rei da noite

Leia também: Astronomia Zênite

José Roberto de Vasconcelos Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital