Cientistas desenvolvem bebida da castanha-de-caju e adicionam probióticos Pesquisa

sexta-feira, 8 maio 2020
(Foto: Embrapa)

Bebida se insere no mercado crescente de alimentos probióticos não lácteos, ideais para vegetarianos e alérgicos ou intolerantes a laticínios

A Embrapa desenvolveu o processo para obtenção de uma bebida de amêndoa de castanha-de-caju, um “leite vegetal”, e testou com sucesso a adição de probióticos. O produto pode ser consumido tanto por pessoas com intolerância à lactose, quanto por aquelas que optam por dietas sem derivados de origem animal, como a vegetariana ou a vegana. Os testes foram realizados com sucesso em escala-piloto e, agora, a Empresa espera por parceiros interessados em disponibilizar o produto em grande escala no mercado.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Agroindústria Tropical Laura Bruno, os estudos realizados demonstraram que a bebida de castanha é um bom veículo para disponibilizar os probióticos para os consumidores que não podem ou optaram por não consumir produtos lácteos. “Essas substâncias são comumente adicionadas a bebidas lácteas. Durante o processo de obtenção  da bebida à base de castanha-de-caju, tivemos a ideia de incorporá-las para valorizar ainda mais o produto”, conta.

Para isso, foram testados, inicialmente, quatro probióticos disponíveis no mercado. “Todos se mostraram viáveis durante um mês, o que é fundamental, já que têm que estar vivos para agir no organismo humano”, explica a cientista.

A fase seguinte foi escolher um dos quatro probióticos, com a estabilização do produto e as análises sensoriais. “Optamos pelo mais comumente usado no mercado de produtos lácteos, que são as bifidobactérias” (veja quadro abaixo). Laura explica ainda que a inoculação (incorporação dos microrganismos à bebida) dos probióticos é feita após a obtenção da bebida, porque durante o processo, há uma fase de esterilização, que elimina os seres vivos ali existentes.

Cumprida essa etapa, a bebida devidamente inoculada com probióticos foi mantida em temperatura de quatro graus Celsius por um mês. “Durante esse período, fizemos análises microbiológicas para observar se havia presença de patógenos ou de microrganismos deterioradores”, detalha a pesquisadora. Outro importante passo foi a realização de análises sensoriais, que mostraram boa aceitação.

Embrapa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital