Convivendo com estresse hídrico Pesquisa

terça-feira, 1 janeiro 2019
(Foto: Lea Cunha/Embrapa)

Pesquisa estimula plantas cítricas a se adaptarem à seca

Estudo pioneiro da Embrapa Mandioca e Fruticultura aproveita os mecanismos de “memória” desenvolvidos por plantas cítricas para um melhor convívio com situações de escassez de água. A técnica consiste em submeter as mudas a situações de déficit hídrico durante a sua formação. Ao receber menor quantidade de água nesse período, a planta desenvolve uma “memória” que a ajudará a enfrentar esse cenário no campo, quando adulta. Isso ocorre porque o desafio imposto provoca as chamadas alterações epigenéticas no vegetal, modificações no genoma que podem permanecer estáveis ao longo de várias divisões celulares e que não envolvem mudança na sequência original do DNA.

A pesquisa avaliou as alterações epigenéticas de dois porta-enxertos (parte inferior que corresponde ao sistema radicular da planta), o limoeiro Cravo e a tangerineira Sunki Maravilha, em combinação com a copa da laranjeira Valência. Essas alterações foram induzidas por recorrentes situações de déficit hídrico. A pesquisa está no escopo de uma série de trabalhos relacionados à tolerância à seca que a Embrapa vem desenvolvendo com diversas culturas, a exemplo da mandioca e da banana, levando-se em consideração o aumento gradativo das alterações climáticas no planeta.

Primeiro estudo

Trata-se do primeiro estudo que relata alterações epigenéticas em citros submetidos a déficit hídrico. Há trabalhos dessa natureza, mas com outras culturas. Os resultados foram publicados no Scientific Reports, periódico on-line do grupo Nature.

Foram avaliados parâmetros fisiológicos, moleculares e hormonais a partir da interação entre a copa e o porta-enxerto, as duas partes que compõem a planta comercial de citros. “A ideia é montar novos experimentos com outras combinações copa/porta-enxerto utilizando essa metodologia. Para isso, esse estudo pode ser utilizado como piloto. As informações obtidas poderão ser empregadas no desenvolvimento de uma técnica de manejo com aplicação direta na cadeia citrícola”, destaca o pesquisador da Embrapa Abelmon Gesteira, responsável pelo estudo realizado em cooperação com o Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), na Bahia, envolvendo as estudantes Diana Neves e Dayse Drielly Vieira, cujas teses de doutoramento embasaram a pesquisa.

Diana, que estudou os efeitos da recorrência do déficit hídrico nas plantas, assinala como principal inovação do trabalho a perspectiva de que a metodologia desenvolvida seja usada diretamente pelo produtor. “A ideia é que o viverista possa aplicar o déficit hídrico durante a formação das mudas antes de levá-las para o campo. Daí elas já vão com essa ‘memória’ de tolerância à seca”, complementa Diana, hoje doutora em genética e biologia molecular.

Fonte: Ascom Embrapa Mandioca e Fruticultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital