Estudo sugere regras universais na relação dos seres humanos com a natureza Pesquisa

segunda-feira, 25 fevereiro 2019
Pesca artesanal no município de Assaré, Ceará, Brasil. Foto: Josivan Silva.

Pesquisadores de Pernambuco e Alagoas propõem nova teoria para explicar essa relação

Uma nova e promissora teoria que sugere existir algumas regras universais que conduzem os seres humanos na sua interação com a natureza: a “Teoria Socioecológica da Maximização”. Baseada em conceitos do campo da Ecologia e Evolução, a premissa básica da teoria é que as pessoas, ao longo do tempo, constroem sistemas socioecológicos – resultado da interação de sistemas socioculturais e a natureza – para favorecer sua sobrevivência em diferentes ambientes (inclusive nos ambientes urbanos).

O artigo “Social-Ecological Theory of Maximization: Basic Concepts and Two Initial Models” está publicado na Biological Theory (edição de fevereiro), revista internacional dedicada aos campos da Filosofia da Biologia, Evolução e Cognição, publicada pela Springer, uma das mais importantes editoras científicas do mundo.

De acordo com o professor Ulysses Paulino de Albuquerque, do Departamento de Botânica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e um dos autores do artigo, esse trabalho é fruto de investigações desenvolvidas nos últimos 15 anos. “O processo de construção de uma teoria requer o acúmulo de muitas evidências, a realização de experimentos muito específicos, e o esforço de sistematizar as informações coletadas por virentes pesquisadores ao redor do mundo”, explica.

Também são autores do artigo os professores Washington Soares Ferreira Júnior (UFPE), Patrícia Muniz de Medeiros e Rafael Ricardo Vasconcelos da Silva (ambos da Universidade Federal de Alagoas-UFAL), Taline Cristina da Silva (Universidade Estadual de Alagoas – Uneal) e Thiago Gonçalves Souza (Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE).

Professor Ulysses Albuquerque, da UFPE, um dos autores do estudo.

Para entender o nosso mundo

Toda teoria científica tem como propósito ajudar a entender o nosso mundo e, a partir disso, fazer previsões de como determinados fenômenos se comportam. Segundo o professor Ulysses Albuquerque, a teoria afirma que a construção e a funcionalidade dos sistemas socioecológicos são impulsionadas pela seleção de estratégias mediadas por mecanismos cognitivos e comportamentais que favorecem a sobrevivência de grupos humanos em suas interações em diversos contextos ambientais.

Para explicar a importância de uma “teoria”, o pesquisador usa a teoria da evolução por seleção natural, proposta por Charles Darwin, como exemplo. “Com a teoria da evolução de Darwin, nós conseguimos explicar porque as bactérias adquirem resistência aos antibióticos e por, extensão nos permite aplicar esse conhecimento na prática médica. No caso de nossa teoria, nós temos a pretensão de começar a explicar como os seres humanos se relacionam com a natureza. Por exemplo, ao longo da história de humanidade, como os seres humanos começaram a escolher as primeiras plantas como medicinais? A partir disso, como as primeiras tradições baseadas no uso de plantas, foram se estruturando”, argumenta.

Sistema socioecológico

“Quando os seres humanos começaram a escolher plantas para se alimentar ou tratar doenças, começou aí a operar a combinação de diferentes elementos, biológicos, culturais e sociais. Ao escolher uma planta são levados em consideração diferentes fatores que dependem de processos culturais e ecológicos. Esta é uma simplificação do que seria um sistema socioecológico. A literatura científica sobre o assunto cresce a cada dia”, define o professor Albuquerque. Outro exemplo dado por ele é dos pescadores que desenvolvem uma estreita relação com a natureza e associam informações de diferentes origens para decidir o que pescar, quando e como. Além disso, possuem um repertório de conhecimento bem vasto sobre os recursos naturais.

Ainda segundo ele, no ambiente urbano, por exemplo, é muito comum nas capitais das cidades se encontrar os mercados públicos que muitas vezes são vitrines da biodiversidade de uma região. “Neles podemos encontrar plantas e animais vendidos para fins medicinais, plantas alimentícias, artesanatos com produtos da biodiversidade”, complementa.

Aplicações práticas

O professor do Departamento de Botânica da UFPE observa que os princípios dessa teoria poderão ser utilizados por diferentes áreas científicas. Além da Etnobiologia (ciência que estuda a relação dos seres humanos com a natureza), a ecologia humana, psicologia evolutiva e ambiental, algumas áreas da antropologia, medicina e nutrição, entre outras foram relacionadas por ele.

Albuquerque argumenta também que essa teoria utiliza modelos conceituais flexíveis, que são abertos a novas hipóteses, que podem ser testadas para colaborar com o desenvolvimento dessa que é a primeira teoria da ciência etnobiológica moderna.

Leia o artigo na Biological Theory.

Edna Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital