Parque tecnológico de Campina Grande inaugura Núcleo de PD&I em TI, Comunicação e Automação Inovação

quinta-feira, 7 abril 2016

Fruto de parceria entre UFCG, Governo do Estado e iniciativa privada, equipamento vai  desenvolver pesquisas nas áreas de computação móvel, dispositivos vestíveis e Internet das Coisas.

Mais uma importante iniciativa tomada no nordeste pode contribuir para a mudança da base da economia brasileira, que ainda é fortemente ancorada na exportação de commodities. A partir de hoje (07), a cidade de Campina Grande, na Paraíba, passa a contar com um novo instrumento de fomento ao empreendedorismo e à inovação no Estado. Às 11h, será inaugurado o Virtus – Núcleo de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Tecnologia da Informação, Comunicação e Automação pela Fundação Parque Tecnológico da Paraíba (Fundação PaqTcPB) e Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

“O Virtus será responsável pela fixação de mais de 200 profissionais em Campina Grande, totalizando R$ 10 milhões de reais em gastos diretos por ano”. A afirmação é da diretora geral da Fundação PaqTcPB e presidente do Conselho do Centro de Inovação e Tecnologia Telmo Araújo (CITTA), Francilene Procópio Garcia, que que também é Secretária Executiva de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Paraíba.

Parceria

Francilene Garcia (foto) destacou que o Virtus foi concebido para acolher de imediato 150 profissionais qualificados entre graduados, mestre e doutores; e que o núcleo possui uma infraestrutura que conta com mais de 1000 metros quadrados de laboratórios com equipamentos de última geração, segurança da informação e diversas salas de vídeo conferência para garantir comunicação constante e irrestrita com clientes globais. “Foram investidos R$ 3,5 milhões de reais para a obtenção destas instalações, com recursos oriundos da parceria com a iniciativa privada” reforçou.

A direção do Núcleo informa que os projetos desenvolvidos lá podem receber recursos da recém criada Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) através da Unidade EmbrapiiI CEEI-UFCG, o que representa mais um diferencial para clientes em busca de competência técnica e inovação de produtos através do uso de recursos financeiros não reembolsáveis. “O Virtus possui atualmente diversos projetos em execução que reúnem recursos de Lei de Informática e recursos EMBRAPII, garantindo ainda mais valor agregado aos seus clientes”, garante a Secretária de CTI, cuja pasta é parte da Secretaria de Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba.

Carteira de projetos

Sendo um órgão suplementar da UFCG, vinculado ao Centro de Engenharia Elétrica e Informática (CEEI), o Virtus vai atuar com foco no estabelecimento de parcerias para a realização de projetos de pesquisa, desenvolvimento e Inovação nas áreas de Tecnologia de Informação, Comunicação e Automação. A interação com as empresas ocorre através de programas de cooperação entre a UFCG e essas empresas, utilizando-se principalmente recursos oriundos da Lei de Informática. É o que explica o diretor executivo do Núcleo, professor Ângelo Perkusich.  A gestão do equipamento é realizada pela diretoria executiva, sob supervisão do Conselho Deliberativo, ambos formados por pesquisadores dos Departamentos de Engenharia Elétrica e Sistemas e Computação do CEEI/UFCG. A carteira de projetos já contratados que o Virtus vai operar supera R$ 18 milhões.

O Virtus foi fundado por Perkusich e outros pesquisadores do Laboratório de Sistemas Embarcados e Computação Pervasiva (Embedded) da UFCG. Desde 2003 a equipe executa projetos de pesquisa e desenvolvimento na área de computação móvel, dispositivos vestíveis e Internet das Coisas, em cooperação com empresas.

Fixação de mão de obra qualificada

O professor, que é bolsista de Produtividade Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora do CNPq, acredita que Iniciativas como essa visam transformar a mão de obra altamente qualificada, que seria exportada para outros países, em produtos tecnológicos inovadores para as empresas. “Aliando tais iniciativas com a força de produção científica das universidades e com a geração de startups tecnológicas focadas em inovação, tem-se um futuro promissor para a economia brasileira”, aposta.

A secretária paraibana de CTI acredita que a atração de instrumentos do porte do equipamento inaugurado hoje para o estado, deve-se sobretudo a iniciativas e políticas “de pavimentação” importantes para a ambiência local, a exemplo da materialização do CITTA. “Ele é fruto de uma parceria que teve o fundamental apoio do Governo do Estado, desde a desapropriação da área até toda implantação da sede da área administrativa” revela.

Renúncia fiscal

Conforme Francilene Garcia, “o Governo do Estado tem sido um parceiro importante nas ações de articulação das instâncias públicas da federação que apoiam o polo tecnológico de Campina Grande e também da iniciativa privada, uma vez que todos os projetos contratados no ambiente do CITTA são oriundos de programas como a renúncia fiscal da Lei da Informática, que atrai grandes empresas nacionais e internacionais para nosso estado e também empreendimentos como é o caso dos apoios recebidos via unidade Embrapii que de alguma maneira contribui na subvenção de um terço dos projetos contratados pelas empresas nacionais que buscam por inovações na área de tecnologia da informação.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital