Tratamento com laser ajuda a prevenir perda de paladar durante quimioterapia Saúde

quarta-feira, 29 junho 2022
O laser é aplicado diretamente sobre as papilas gustativas do paciente, como forma de recuperar danos causados pela quimioterapia (Foto: Reprodução/UFCTV)

A tecnologia evita que pacientes com câncer tenham sua alimentação prejudicada e precisem interromper o tratamento

Apesar de ser o principal método de tratamento para combater o câncer, a quimioterapia traz consigo uma série de efeitos colaterais que, por muitas vezes, debilitam o paciente. Entre os mais comuns, estão por exemplo a queda de cabelo, náuseas e até o surgimento de feridas. Um deles pode ser especialmente prejudicial, forçando inclusive a interrupção do tratamento: a perda do paladar.

Esse efeito colateral em específico, também chamado de disgeusia, é foco de uma pesquisa que vem sendo desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal do Ceará. A partir de terapia com uso de laser, a equipe de pesquisadores promove a proteção das papilas gustativas, normalmente atingidas pela quimioterapia, o que gera a perda de apetite.

“O paciente que está em quimioterapia perde o paladar porque o quimioterápico não afeta apenas o tumor, mas afeta qualquer tecido do corpo que tenha uma alta capacidade de reprodução. A pele fica seca, o cabelo cai e o paladar é perdido por conta dos botões gustativos”, explica o Prof. Paulo Goberlânio Silva, um dos orientadores do estudo.

Evitar a disgeusia é importante para garantir que o paciente consiga manter uma boa alimentação durante todo o tratamento: se a alimentação estiver  prejudicada, haverá maior susceptibilidade aos efeitos negativos da quimio, aumentando as chances de sua interrupção.

Aplicação de laser na parte interna da bochecha de paciente

O uso do laser tem se mostrado promissor para tratar a disgeusia (Foto: Reprodução/UFCTV)

Foi pensando nisso, e também considerando que não há medicamentos totalmente eficazes para combater a disgeusia, que os pesquisadores decidiram testar o uso do laser, aplicando-o diretamente sobre as papilas gustativas, como forma de reconstruí-las. São elas as responsáveis por fazer o paladar funcionar corretamente, dando  informações sobre as condições e o sabor do alimento, por exemplo.

A lógica por trás do procedimento está baseada na capacidade que o laser tem de reverter danos aos tecidos do organismo humano por meio de fótons de luz, que são absorvidos e estimulam a reprodução e cicatrização celular. Isso já é feito para tratar ferimentos no tecido cutâneo (pele), por exemplo. A ideia, portanto, era que os botões gustativos pudessem também ser beneficiados com esse estímulo.

A prática tem se mostrado tão promissora quanto a teoria até aqui. A equipe acompanhou, durante seis meses, 135 pacientes com câncer de mama em tratamento com quimioterapia, divididos em dois grupos, com apenas um deles recebendo a terapia com laser nas papilas gustativas.

Os resultados foram claros: enquanto aqueles que não receberam a laserterapia tiveram perda de paladar e de peso em até 20%, os que foram tratados com o laser não apenas conseguiram se manter durante toda a quimio sem perda de peso como, em alguns casos, até tiveram aumento de massa.

Com isso, a eficácia da quimioterapia acaba por ser melhor garantida, já que os medicamentos podem continuar a ser aplicados sem permitir brechas para o desenvolvimento de resistência tumoral.

“Quando o paciente perde muito peso, o oncologista tem de diminuir a dose do quimioterápico ou até suspender o tratamento. Toda vez que você para de administrar a droga, o tumor tende a desenvolver resistência. Se o oncologista consegue sustentar aquela dose durante todo o tratamento, a possibilidade de cura aumenta significativamente”, explica o Prof. Paulo Goberlânio.

Metodologia recente

A UFC conta, desde maio de 2022, com um Centro de Laserterapia em Odontologia (CELO), vinculado à Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, que já vem aplicando a tecnologia como recurso terapêutico para diferentes problemas bucais, de feridas à recuperação de pós-operatórios.

Além de eficaz, o tratamento conta com uma boa dose de praticidade. “O laser é um aparelho portátil, então a gente consegue levar [para qualquer lugar]. É um aparelho só, que tem uma potência fixa de 100 miliwatts, e tem comprimentos de ondas diferentes”, explica a pesquisadora Cássia Nóbrega, cuja dissertação de mestrado desenvolveu-se em torno da laserterapia nos pacientes de câncer.

Paciente deitada em cadeira tendo laser aplicado na boca por enfermeira
O objetivo agora é encontrar as melhores metodologias para aplicação do laser (Foto: Reprodução/UFCTV)

O uso do laser para restauração e cicatrização celular já é abrangente, mas algo relativamente novo, sobretudo no campo da odontologia. “Se formos buscar na literatura, há uma grande gama de protocolos diferentes, porque a gente não sabe ainda qual o melhor para o tratamento dessa condição”, diz a Profª Ana Paula Alves, que também orienta o estudo.

Por isso, a pesquisa não deve parar aí, já que agora a ideia é justamente estudar os possíveis protocolos de aplicação do laser para uma melhor eficiência no tratamento, inclusive reduzindo o tempo necessário para a terapia.

“Conseguimos dar uma condição nutricional melhor para esses pacientes”, ressalta Cássia. “O que a gente quer descobrir é qual laser vai ter mais eficácia, com menor tempo clínico. [Isso] leva à necessidade de outros estudos, principalmente estudos laboratoriais, para a gente entender qual o mecanismo real de ação da disgeusia”, projeta.

Fonte: Agência UFC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital