Comer pra quê? Biologia do Envolvimento

segunda-feira, 18 junho 2018

Melhor que comer algas, espécie de lesma da Flórida passa a fazer fotossíntese e fica meses sem se alimentar

Vocês já ouviram falar das lesmas que resolveram parar de comer? Pois é, existe uma lesma lá na Flórida (aliás não uma só, mas um gênero inteiro) que se alimenta de algas. Só que não contentes em comer as algas esses bichos pegam os cloroplastos que estão dentro das células das algas, colocam pra dentro de suas próprias células e começam a fazer fotossíntese! E algumas espécies ficam meses sem comer só vivendo de fotossíntese.

Pra continuar deixa eu falar um pouquinho da evolução dos cloroplastos. Hoje em dia é bem aceito que os eucariotos, organismos que possuem núcleo, apareceram com o início de uma relação onde uma célula passou a viver dentro da outra. Assim, acredita-se que as mitocôndrias e os cloroplastos foram um dia microorganismos que entraram dentro de outra célula e passaram a viver no seu interior.

A lesma Elysia chlorotica que se alimenta de algas.

Esses microorganismos reproduziam e foram passados daí em diante para as próximas gerações da célula hospedeira. Uma das consequências desta história é que as mitocôndrias e os cloroplastos tem o seu próprio DNA. Só que durante a história desta relação partes dos DNAs do cloroplasto e do núcleo foram trocados entre si. Assim, os genes necessários para fazer as enzimas da fotossíntese, que originalmente estavam no cloroplasto, em boa parte se mudaram para o núcleo. Essa transferência firmou de vez o contrato que um não poderia mais viver sem o outro.

Mas e o caso da lesma? O cloroplasto está pulando o muro e fazendo fotossíntese em outra vizinhança. As proteínas tem uma vida no nosso organismo. Então, os genes estão continuamente sendo lidos para fazer mais dessas proteínas. A duração de cada proteína varia mas definitivamente meses de vida sem nenhuma reposição é demais. Então, como a lesma faz pra fazer fotossíntese sem os genes do núcleo das células de alga? Existem duas opções a esta altura. Ou a lesma tem uma fórmula mágica para aumentar a duração das proteínas ou ele roubou não só os cloroplastos mas também os genes de fotossíntese que estavam no núcleo.

E foi isso mesmo que aconteceu. Apesar de nascer sem cloroplasto e ainda depender de comer a alga para começar a fazer fotossíntese, E chlorotica tem genes de fotossíntese que ela herda de seus pais.

A coluna Biologia do Envolvimento é atualizada quinzenalmente às segundas-feiras. Leia, opine, compartilhe, curta. Use a hashtag #BiologiadoEnvolvimento. Estamos no Facebook (nossaciencia), no Instagram (nossaciencia), no Twitter (nossaciencia).

Leia o texto anterior: Colaborar ou parasitar? Depende do ponto de vista

Eduardo Sequerra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital