A onda verde na ciência Ciência Nordestina

terça-feira, 26 janeiro 2021

A solução do planeta, para diferentes áreas de produção humana, passa pelo investimento em ciência

Com a escassez do petróleo, a abundância de lixo plástico no mar e na terra e a degradação ambiental decorrente deste modo de produção, a ciência se vê impelida a reinventar processos e materiais, dada a necessidade de manter os avanços tecnológicos atuais ao tempo em que minimiza a agressão ao planeta.

E quando falamos de combustíveis fósseis lembramos de imediato dos nossos carros. Porém é importante lembrar que a nanotecnologia verde e a química verde também precisam afetar toda a linha de insumos químicos que chegam até aos produtos de limpeza que usamos em nossa cozinha.

O caminho para a onda verde avançar sobre os derivados do petróleo vem do conhecimento de nossos produtos naturais. O uso de compostos biodegradáveis (por exemplo os derivados de óleos essenciais) para incorporação na indústria de químicos se apresenta como uma das vias mais acessíveis para alternativas aos modos convencionais. E esta revolução precisa chegar às embalagens que usamos nos supermercados, aos copos descartáveis, produtos de limpeza e tanques de combustível.

O impacto que o petróleo já causou ao ambiente e todo o desequilíbrio (que não sabemos se pode ainda ser revertido) nos leva à conclusão – mais ou menos óbvia – de que precisamos copiar a natureza e todo o seu processo adaptativo-evolutivo para desenvolver todas as espécies que habitam neste planeta.

A mimetização de todos estes processos naturais não garante, todavia, que tenhamos começado a quitar a dívida referente à destruição que o ser humano já causou à natureza. Ela é uma tentativa de iniciarmos um novo modo de produção que gere menos resíduo, menos lixo. Os governos, por sua vez, precisam levar a causa ambiental como prioridade em suas pautas e incentivar as atividades que priorizem a remediação ambiental e os novos rumos da ciência verde.

Como sabemos, o que existe na cabeça das pessoas é a intenção. A ação surge a partir do investimento nestas ideias. As nações precisam pensar seriamente nos rumos deste planeta, antes que sejamos tragados por qualquer roteiro de filme apocalíptico. O caminho para isso vem no investimento massivo em soluções verdes para as diferentes áreas de produção humana. A solução do planeta passa (para variar) pelo investimento em ciência.

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.

Leia o texto anterior: Metais transparentes

Helinando Oliveira é Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) desde 2004 e coordenador do Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos (LEIMO).

Helinando Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital