Desatenção nas aulas e o novo normal Ciência Nordestina

terça-feira, 2 agosto 2022

A atenção ao aparelho celular figura com prioridade máxima, deixando o professor e a exposição das aulas em último plano

A mudança na chave entre os modos remoto e presencial revelou uma alteração preocupante no perfil dos estudantes. Mesmo antes do isolamento, o velho hábito de fazer anotações no caderno já havia sido quase que completamente abandonado – um “print” da lousa e tudo parecia estar sob controle. O foco no conteúdo das aulas parece estar ainda mais afetado, pois a atenção ao aparelho celular figura com prioridade máxima, deixando o professor e a exposição das aulas em último plano.

No entanto, vale ressaltar que este comportamento é pouco diferente daquele visto ao final das aulas remotas: câmeras fechadas, pouquíssima interação e desinteresse generalizado. Apesar de não poderem mais contar com o argumento da internet ou microfone quebrados, o aumento considerável na fração de estudantes completamente desinteressados nas aulas é algo a ser analisado com muito cuidado.

Um fator majoritário que foi agravado pela pandemia foi o quadro de grave crise econômica (que levou o Brasil de volta ao mapa da fome) e fez com que grande parcela dos estudantes universitários buscasse estágios e empregos temporários. Com o retorno das aulas no modo presencial, estes estudantes mantiveram seus vínculos e agora sentem a dificuldade em estar na Universidade – e quando estão, tenham pouco foco e interesse nas aulas.

Isso se soma à situação dramática das Universidades públicas que perderam quase todos os recursos e lutam para não fechar. Este cenário apocalíptico conta ainda com a evasão considerável de jovens doutores para o exterior.

Fica clara a necessidade urgente de valorização da educação, ciência e tecnologia no Brasil, o reforço na assistência estudantil, a valorização dos professores e o investimento em nossa juventude. Ou seja, precisamos fazer tudo diferente do que foi feito nos quatro últimos anos. Com a disponibilidade de bolsas de fixação dos estudantes na Universidade poderemos atrair nossos jovens para dentro das instituições e recuperar a atenção perdida pela produção de conhecimento. O brasileiro precisa voltar a acreditar na educação.

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.

Leia o texto anterior: Regional versus global

Helinando Oliveira é Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) desde 2004 e coordenador do Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos (LEIMO).

Helinando Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital