Pornografia de revanche Observatório de Mídia

quinta-feira, 14 janeiro 2021
Banco de Imagens Unsplash por Dayne Topkin.

Por que é tão difícil denunciar e como retirar imagens e vídeos não consentidos da Internet?

Por Danillo Da Mata e Nayara Venâncio

O compartilhamento de conteúdo íntimo tem se tornado bastante comum e seu surgimento se deu quase que concomitantemente as várias redes sociais existentes junto com a internet. Da troca de imagens e vídeos íntimos os chamados nudes até os primeiros casos de vazamento dessas imagens e vídeos sem o consentimento foram muito rápido.  No Brasil desde 2012, quem vaza conteúdo sem autorização da pessoa exposta poderá responder por invasão de dispositivo informático, incluído no Código Penal pela Lei nº 12.737/2012, conhecida como Lei Carolina Dieckmann.

O vazamento não consentido de imagens íntimas são uma forma de violência contemporânea e o tratamento social dado a homens e mulheres quando vítimas são complemente diferentes. Podemos dizer que entre a mulher e o homem nunca houve uma partilha do mundo em igualdade de condições.[1] A Lei nº 13.718, sancionada em 24 de setembro de 2018, veio em alteração ao Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), e passou a tipificar os crimes de importunação sexual, uma maneira de suprir uma lacuna criada por existirem apenas duas previsões para comportamentos sexuais até então:  estupro e a contravenção penal.

Nayara Venâncio.

A importunação sexual revogou a contravenção. Também foi criado o artigo 218-C, que criminaliza o “revenge porn”, tornando crime a divulgação de cenas de sexo, nudez ou pornografia sem o consentimento da vítima.

Essas questões atuais, surgidas com a difusão de tecnologias móveis com acesso à internet, levaram o Grupo de Estudos em Criminologias Contemporâneas (Gecc) – coordenado pelo professor de Direito da Faculdade Estácio do Rio Grande do Sul Leandro Ayres França, a investigar a incidência.

O Projeto Vazou[2] finalizado em dezembro de 2018, recebeu 141 depoimentos anônimos, sendo 84% de mulheres. A pesquisa identificou que, em média, as mulheres tinham 24 anos ao responderem a pesquisa, mas 19 anos quando o fato ocorreu. A maioria (81%) informou conhecer quem vazou os arquivos. Esses eram majoritariamente do sexo masculino (84%), com idade média de 23 anos à época da gravação. O estudo também indica que o meio de compartilhamento mais comum foi a plataforma WhatsApp (70%), seguida pelo Facebook (26%).

A maior parte das vítimas (82%) relatou ter tido algum tipo de relacionamento afetivo com a pessoa responsável pelo vazamento não consentido. Mais da metade (60%) sabia da gravação e a havia autorizado/fornecido, e cerca de 44% acreditam que o motivo do vazamento foi “vingança”. Na maioria dos casos registrados na pesquisa, não houve investigação policial (82%) nem processo judicial (86%).

Banco de Imagens Unsplash Camila-Quintero Franco.

A pesquisa apontou hipóteses para a subnotificação como vergonha, sentimento de culpa das vítimas mulheres, pois a maioria havia enviado os nudes vazados e em relação aos homens não se sabe se há um silenciamento ou se os homens não percebem a exposição de suas imagens íntimas como uma violência, nem a sociedade os condenam moralmente por isso.

Sabe-se que o sistema de justiça criminal é historicamente ineficaz para a proteção das mulheres contra a violência de gênero: não previne novas violências, não respeita as peculiaridades da vítima, não escuta seus distintos interesses, não contribui para a compreensão da própria violência vivida, para a gestão do conflito, e muito menos para a transformação das relações de gênero, e, com isso, das estruturas que sustentam a dominação masculina vigente.[3]

Uma das grandes hipóteses para subnotificação era a falta de tipificação penal sanada apenas em 2018 e as delegacias das mulheres necessitarem de mais equipes e treinamento pra apuração desses crimes de cunho cibernéticos e efeitos permanentes na vida das vítimas.

Danillo Da Mata.

Mas em caso de vazamento de nudes: como proceder? A seguir um passo a passo para solicitação de indexação de conteúdo no Google

A retirada de conteúdo da internet é, em geral, um processo trabalhoso, tendo em vista que cada site precisa ser contatado individualmente para realizar o procedimento de retirada de conteúdo. No caso de conteúdos postados em sites pornográficos a maioria dos sites mais conhecidos atuantes hoje no mercado já possuem ferramentas automatizadas com essa finalidade.

Infelizmente, a retirada de conteúdo de sites não impede que esses conteúdos sejam repostados em outros sites ou, em casos de sites que não possuem uma politica de controle de conteúdo tão eficaz, até mesmo no próprio site novamente. Tendo em vista tais dificuldades a forma mais eficaz de dificultar o acesso a informações pessoais que gerem riscos ainda é dificultar sua busca em sites de busca. Atualmente é inegável que o mercado de buscas na internet é dominado por uma única empresa/ferramenta, o Google.

https://olhardigital.com.br/2020/10/20/noticias/google-e-processada-por-monopolio-ilegal-nos-eua/

https://canaltech.com.br/internet/google-se-defende-de-acusacoes-de-monopolio-e-nao-vai-mudar-sistema-de-pesquisa-176473/

https://olhardigital.com.br/2020/12/21/noticias/google-tem-julgamento-sobre-acusacao-de-monopolio-adiado/

Sendo a maior empresa do ramo o Google já possui uma ferramenta relativamente simples de ser utilizada para que a solicitação de indexação de conteúdo seja feita. Ressaltamos, porém, que a remoção da indexação de conteúdo no Google não remove de maneira nenhuma o conteúdo da internet ou mesmo de algum site. O google é meramente uma ferramenta de busca e indexação de conteúdo presente em outros sites da internet e a retirada de indexação de algum dado de sua plataforma apenas dificultará o acesso de novos usuários aos dados que continuarão presentes no site em que foi postado, já que a não indexação do google dificulta a busca por esses dados.

Em resumo, se a maioria esmagadora dos usuários de internet utiliza o google para realizar buscas na internet, a remoção algum conteúdo do google é uma forma bastante eficiente de dificultar o acesso a dados sensíveis. Mas afinal de contas, como efetivamente utilizar a ferramenta do google para a solicitação de remoção de indexação de conteúdo?

  1. Buscar no google por “remoção de conteúdo google”, devemos acessar o conteúdo que faça parte da ferramenta do google:

 

 Escolha de Formulário. Nesta etapa deve-se selecionar a opção de formulário que melhor se encaixe na sua situação atual, para fins educativos selecionaremos a primeira opção;

 https://support.google.com/websearch/troubleshooter/3111061?hl=pt-BR

 

  1. Acesso ao formulário: Antes de ser direcionado ao formulário propriamente dito você será encaminhado a uma pagina explicativa sobre a opção selecionada, no nosso caso “Remover do Google imagens pessoais explícitas ou não consensuais”. É importante que sua solicitação seja feita no formulário correto, do contrário ela não surtirá efeito

 

  1. Preenchendo o formulário: Ao acessar o formulário algumas respostas podem estar pré selecionadas, entretanto, caso elas não estejam de acordo com a realidade (ou o mais próximo disso possível) ao clicar nos links em azul, caixas de seleção como a da ultima pergunta da imagem serão exibidas;

 

  1. Preenchendo o formulário: O formulário é interativo, e deve apresentar informações diferentes de acordo com as respostas dadas pelo usuário, atente sempre para responde-lo com o maior nível de veracidade possível para aumentar as chances de a solicitação ser atendida.

  

  1. Aos informar os dados pessoais vale ressaltar que caso a solicitação esteja sendo deita por terceiros, estes precisam de vinculo legal com a pessoa, Por exemplo: “pai/mãe” ou “advogada/o”;

 

  1. Agora chegamos à etapa em que iremos indicar o conteúdo que queremos que seja removido da indexação do google:
    1. Inicialmente devemos adicionar o(s) link(s) dos dados que queremos que sejam removidos do google. Em caso de múltiplas fotos postadas em um site, devemos colocar o link de cada foto no site;
    2. Posteriormente devemos adicionar o link DO GOOGLE em que os dados que queremos remover é indexado. Ao encontramos o dado que queremos remover do google basta copiar o link do google e colar nesta caixa de texto;
    3. Agora devemos adicionar capturas de tela, o mais descritivas e abrangentes da página possível com o intuito de demonstrar que esse conteúdo esta postado no site.

  1. Pronto: Após o preenchimento de todos os campos anteriores a solicitação esta pronta para ser enviada escreva seu nome e data de solicitação e envie-a. Em algum tempo um e-mail de confirmação será encaminhado para seu e-mail.

Referências

A coluna Observatório de Mídia é atualizada quinzenalmente às quintas-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #observatorionossaciencia. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Leia o texto anterior: Padrão de qualidade ou padronização da qualidade?

JOII – Grupo de pesquisa em Jornalismo, Inovação e Igualdade da Universidade Federal do Piauí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital