Pós-graduação e CV Lattes Ciência Nordestina

terça-feira, 18 janeiro 2022

Este é o momento de multiplicar ações integradas que mantenham viva a ciência no país

Vivemos talvez o pior momento para a pós-graduação brasileira nos últimos anos. Sem possibilidade de fixação no país, os pós-graduandos vislumbram a saída do Brasil como única chance para continuar suas atividades de pesquisa, uma vez que própria escassez de bolsas de pós-doutorado impede projetos de mais curto horizonte de tempo em continuidade ao doutorado.

Há, no entanto, um hábito danoso neste ponto que não foi adaptado à nova realidade. No paradigma qualidade/ quantidade, a tendência segue apontando para a ciência salame, em que um tema é fatiado para produzir mais e mais artigos. No entanto, este é o momento de fortalecer temas críticos e estruturar parcerias internacionais, pois da ciência “salame” não há sustentação. Quanto mais se corta, menos se tem para publicar. Este é o momento de multiplicar ações integradas que mantenham viva a ciência no país.

E isto pode significar alguma variação para baixo na produção científica, evidentemente. Ora, a física já nos ensina a lei da ação e reação. Não há como manter os índices de 2004 com o financiamento de 2022. A missão é formar profissionais competentes neste momento crítico. E neste ponto, o tamanho do currículo do doutorando em termos de artigos não é o mais importante. Ele precisa entender como integrar métodos para estabelecer contatos e interações que o permitam começar do zero.

Começar do zero significa saber construir projetos de pesquisa competitivos, conquistar recursos das mais diversas agências de fomento, construir grupos de pesquisa e manter a máquina da ciência funcionando logo após a passagem deste tufão que abalou a ciência brasileira.

Enquanto a escrita de artigos é introspectiva e requer isolamento intelectual, o momento pede formação em métodos de socialização e colaboração para suporte em momentos de escassez e sucateamento.

Cabe aos orientadores de pós-graduação dar uma formação para além da construção de redes de caça-níqueis de artigos para dar vez ao fortalecimento de uma rede de pesquisadores que saibam a relevância dos problemas de interesse para o país. Assim, fugiremos da métrica dos doutores de toga que ostentam os currículos repletos de soluções para perguntas que não foram feitas por ninguém.

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.

Leia o texto anterior: 2022: entre a ficção científica e a fome

Helinando Oliveira é Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) desde 2004 e coordenador do Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos (LEIMO).

Helinando Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital