Vivendo no espaço – 2ª parte (final) #HojeÉDiadeCiência

sexta-feira, 19 outubro 2018

Saiba como os astronautas realizam no espaço algumas tarefas do dia-a-dia como comer, ir ao banheiro e tomar banho

Segundo uma convenção internacional o espaço começa a 100 quilômetros acima do nível do mar. Abaixo disso e estaremos cada vez mais imersos no manto gasoso que envolve nosso mundo: a atmosfera que nos protege e nos alimenta. No espaço não existe ar e, portanto, não há como propagar vibrações mecânicas, como o som. Assim, o grito de um astronauta estará sempre contido nos limites de seu próprio capacete.

Dito dessa forma o espaço soa como um lugar sinistro, mas o fato é que até hoje nenhum ser humano morreu por lá. Todos os acidentes fatais aconteceram abaixo dos 100 km de altitude.

Cotidiano

A sensação de ausência de peso quando se está em órbita recebe o pomposo nome de imponderabilidade. Isso não é o mesmo que ausência de gravidade (o que não ocorre), mas produz efeitos curiosos tanto no corpo quanto na mente humana.

No espaço, simplesmente não existe “em cima” e “embaixo”. O interior das naves precisa identificar bem o teto e o chão porque o astronauta simplesmente não sente diferença alguma. Não se tem a sensação de estar de cabeça para baixo, por exemplo.

E ao contrário do que se poderia pensar, as refeições não são “pílulas”, mas comida quente e saborosa. Contudo, algumas tarefas do dia-a-dia tornam-se mesmo peculiares em órbita. Como ir ao banheiro, ou melhor, ao “sistema de administração de dejetos”, cujo assento possui um aspirador, para que a microgravidade não deixe o usuário constrangido ao ver que seu ato resultou numa miríade de objetos mal cheirosos flutuando ao redor.

A higiene de um astronauta é trabalhosa. Tomar banho requer a montagem do box (que afinal não vai ficar sempre ocupando um lugar no restrito interior da nave), abastecê-lo com água, depois se lavar, aspirar toda a água (você não iria querer que bolhas d’água circulassem livremente pela nave) desmontar o compartimento e reciclar a água utilizada. Mesmo assim o prazer de um banho após um exaustivo dia de trabalho compensa o esforço.

Esforço, aliás, é o que não deve faltar a um astronauta, que se alterna entre oito horas de trabalho, sono e lazer, mais uma importante série diária de exercícios físicos. É que sob a imponderabilidade, o cálcio escapa pela urina e a estrutura óssea se enfraquece.

O pouco uso das pernas também faz o sangue circular mais pela parte superior do corpo e isso amolece os músculos. Movimentos mais suaves também diminuem o consumo de oxigênio transportado pelos glóbulos vermelhos, o que resulta numa diminuição de 8 a 20% em seu número total.

Arte e técnica

Do lado de fora da nave a absorção de temperatura ainda depende de certas características do material de que ela é feita. A superfície externa, tanto da nave quanto do traje espacial, devem ser claros para refletir bem a luz e o calor do Sol.

Mas esse não é o único sistema para proporcionar uma temperatura confortável. O calor do próprio astronauta pode fazer do interior de seu traje espacial um lugar sufocante. Para evitar isso uma rede de tubos circula água próxima ao seu corpo.

O calor corporal é então transferido para uma unidade de refrigeração no compartimento montado em suas costas, onde a água entra em contato com uma placa de metal porosa cuja outra extremidade está conectada ao espaço. Parte da água atravessa lentamente os poros e congela, sendo progressivamente expelida no vazio (sublimada), como vapor.

São apenas algumas minúcias da Astronáutica, a arte e técnica de navegar o firmamento.

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Leia o texto anterior: Vivendo no espaço – 1ª parte

Leia também Astronomia Zênite

José Roberto de Vasconcelos Costa

2 respostas para “Vivendo no espaço – 2ª parte (final)”

  1. Michelle Freitas disse:

    Muito bom o texto! Surpreendente!
    Poderiam fazer uma avaliação do filme: “perdido no espaço”? Seria realmente possível a vida em Marte? Obrigada!

  2. José Roberto disse:

    Que bom que gostou, Michelle!
    Com certeza está em nossos planos falar do intrigante planeta Marte. Continue nos acompanhando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital