Os primeiros astronautas

sexta-feira, 8 setembro 2017
A cadelinha Laika foi a primeira cosmonauta russa

Na coluna HojeÉDiadeCiência veja porque os animais são, definitivamente, os pioneiros na conquista espacial. A cosmonauta Laika foi a primeira a ir ao espaço

Responda rápido: quem foi o primeiro a ir ao espaço? Se você está pensando no russo Yuri Gagárin, desista. Não foi ele. Gagárin completou uma volta em torno da Terra em 12 de Abril de 1961, a bordo da primeira cápsula da série Vostok (Oriente).

Mas, desde 3 de Novembro de 1957 o mundo já tinha seu primeiro astronauta, na verdade uma cosmonauta*. Laika era uma pequena cadela esquimó encontrada nas ruas de Moscou. Ela orbitou o nosso planeta seis vezes, um recorde que só seria quebrado alguns anos mais tarde… Por mais dois cães cosmonautas!

E quanto ao americano Neil Armstrong? Bem, ele continua a ser o primeiro a caminhar na Lua. Mas, em Setembro de 1968, quase um ano antes do voo da Apolo 11, a cápsula soviética Zond 5 levou uma tartaruga – entre algumas plantas, sementes e bactérias – para um passeio na órbita lunar.

Foi a primeira sonda circunlunar a ser recuperada na história da astronáutica. Não adianta se queixar. Os animais são, definitivamente, os pioneiros na conquista espacial.

Neil Armstrong: o primeiro a caminhar na Lua

Você vai primeiro

Antecipar as reações ao voo usando animais não era novidade. Em 1784, fisiologistas italianos já haviam feito uma ovelha voar num balão. Os primeiros primatas lançados em foguetes foram os macacos Albert 1 e Albert 2. Mas, eles morreram durante testes balísticos no final dos anos 40, dentro de um míssil V-2 da II Guerra capturado pelos EUA.

A própria Laika, que tem monumentos erguidos em sua homenagem em várias partes da Rússia, não voltou. A culpa foi da política da Guerra Fria. Bastaria que seu voo fosse adiando em algumas semanas e seu resgate teria sido possível.

Ainda haveria outros mártires caninos. E também muitos heróis. Belka (Esquilo) e Strelka (Flechinha) foram outras duas cadelinhas russas que fizeram voos orbitais, desta vez acompanhadas por alguns camundongos.

Mais tarde Strelka teve seis filhotes, um dos quais foi dado de presente ao então Presidente Kennedy. Em 1961, Chernushka (Neguinha) subiu na companhia de um porco da guiné. O voo foi um sucesso e abriu caminho para Yuri Gagárin. O mesmo fez Zvezdochka (Estrelinha).

Os americanos preferiam os primatas. Ham era um chimpanzé que antecipou o voo suborbital de Alan Shepard, e Enos participou de mais de 1.250 horas de intensos treinamentos na Força Aérea, sendo o precursor do Coronel John Glenn.

Em 1963 foi a vez de Felix, um autêntico gato vira-lata das ruas de Paris, lançado por um foguete francês na Argélia. O “astrogato” também foi resgatado em segurança.

Estação espacial internacional

Voando alto

Motivo de orgulho para uns – e revolta para outros – animais foram ao espaço até recentemente, a bordo dos ônibus espaciais. Frequentemente estão também na Estação Espacial Internacional e, no futuro, talvez viagem conosco para a Lua ou Marte.

São nossos amigos; eternos companheiros. Parentes. A Astronáutica é a arte e técnica de navegar o firmamento. Semelhante à Astronomia, ela surgiu ao contemplarmos o céu.

Durante o dia invejávamos a liberdade dos pássaros. Queríamos estar com eles, voando alto. À noite ansiávamos tocar a Lua, atravessar o manto escuro e vislumbrar o mecanismo dos astros, a música das esferas. Durante milênios este foi somente um sonho da humanidade. Cada um de nós vive hoje esse instante de graça que nossos antepassados apenas desejaram.

* Como são chamados os astronautas na Rússia. Na verdade, o termo cosmonauta é melhor que astronauta. Vem do grego: Kosmos (universo), mais adequado que Astron (estrela).

Do site Astronomia no Zênite – www.zenite.nu

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Se você ainda não leu a coluna da semana passada, leia agora.

José Roberto de Vasconcelos Costa

Os comentários estão desativados.

Site desenvolvido pela Interativa Digital