A solução para o mundo Ciência Nordestina

terça-feira, 28 setembro 2021

Mesmo com todos os sinais das mudanças climáticas, não há nenhuma mudança de comportamento da espécie humana com relação à sua casa, o planeta.

Há uma infinidade de documentários nas redes que descrevem as mortes nas ondas de calor recentes no Paquistão. E não apenas lá, os verões estão cada vez mais severos (como o último verão de Tóquio, mostrado para o mundo todo com as olimpíadas). As queimadas no Brasil e toda agressão que se tem feito à Amazônia mostra o que nos espera no verão que se aproxima. E mesmo que os sinais sejam claros de que o clima e as pandemias estão nos levando a uma condição irreversível de extinção, não há nenhuma mudança de comportamento da espécie humana com relação à sua casa, o planeta.

É óbvio e claro que a ciência vem levando-nos a um prolongamento da vida humana. Não fossem os antibióticos, continuaríamos na expectativa de vida de 30 anos de idade. A tecnologia, no entanto, vem conduzindo a humanidade a um nível de letargia e domínio digital que a impede de usar a própria inteligência para fins de salvação da espécie. A solução para as ondas de calor definitivamente não é individual. Entupir as residências de aparelhos de ar condicionado apenas aumenta ainda mais a temperatura das cidades e expõe os pobres às condições mais agressivas que essas ondas vêm acompanhadas. Portanto, o isolamento em bolhas não pode ser pensado como solução.

É chegado o momento de pensar a coletividade acima dos lucros das grandes corporações. Fazer tecnologia para manter as fortunas e devastar o planeta é manter a velocidade de cruzeiro de uma espécie que decidiu se autossabotar.

Precisamos nos reconhecer como parte do planeta, revertendo toda a degradação ambiental já promovida pela espécie humana. Plantar mais arvores nos centros urbanos, fazer uma arquitetura integrada com a natureza, desenvolver tecnologias que revertam os perfis de desertificação… Tudo isso é bem mais relevante que desenvolver gerações futuras de eletrônicos. Possivelmente pode não haver gente para usá-los em seus lançamentos.

É hora de entender que as consequências de toda a ação antrópica podem já estar fora do alcance e reversão. Para isso, todos, exatamente todos precisam sair de sua zona de conforto.

E isso começa com a redução no consumo de combustíveis fósseis (ande mais de bike ou a pé), com o fim do uso de plásticos (use papel ou sacolas reutilizáveis, compre recipientes de vidro ao invés dos de plástico, abandone os canudos e copinhos de café), com o plantio de árvores (quando você plantou uma muda?), com a coleta seletiva… Conte dessa situação para seus vizinhos, envolva as crianças.

É hora de desfazer todo o mal que acumulamos ao longo dos anos. Aliás, no dia em que escrevo esta matéria (21 de setembro) é dia da árvore. Aproveitemos então para plantar mais um pouco de esperança.

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.

Leia o texto anterior: Paulo Freire 100 anos

Helinando Oliveira é Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) desde 2004 e coordenador do Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos (LEIMO).

Helinando Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital