Carbono: um elemento essencial Ciência Nordestina

terça-feira, 11 fevereiro 2020

Ele ocupa 19% de nosso corpo e está espalhado por todos os cantos do planeta nas mais diferentes formas

Se pudéssemos atribuir qualidades humanas aos elementos químicos, diríamos que o mais popular, versátil e surpreendente de toda a tabela periódica seria o carbono.

Por ser um dos elementos mais abundantes do universo e podendo formar ligações com ele mesmo, o carbono não demonstra nenhum tipo de preconceito e desenvolveu a interessante capacidade de se ligar a praticamente tudo que já foi descoberto pela humanidade.

Com isso, tem a habilidade de formar moléculas longas e curtas – já foram catalogados mais de três milhões de compostos de carbono – basta dizer que ele está no CO2 da respiração celular, na fotossíntese e no nosso DNA. Ele simplesmente é a pedra fundamental de toda a Química Orgânica!

O leitor menos avisado pode perguntar: como algo tão simples e abundante pode ser tão especial? Na verdade, o carbono dispõe de uma característica muito singular chamada alotropia.

Alguns elementos químicos dispõem desta característica e podem formar substâncias distintas se organizados de formas adequadas. Assim, o carbono pode ser grafite, diamante, fulereno, nanotubos de carbono e nanoespuma.

A conversão entre as diferenças formas de carbono depende das condições de temperatura e pressão – e para cada forma uma aplicação diferente.

Muita atenção tem sido dada nos últimos anos aos carbon dots – pontos quânticos de carbono e a enorme gama de aplicações para métodos de preparação – cada vez mais simples. A infraestrutura para produção dos carbon dots por vezes se resume a um forno micro-ondas.

Porém, nem só da beleza dos diamantes e da nanotecnologia dos carbon dots gira o mundo dos carbonos. Estruturas simples como o carvão ativado estão nos filtros de água, em produtos de beleza (shampoos a seco e esfoliantes) e na descontaminação de resíduos hospitalares. Vale ressaltar que a diferença básica entre o carvão vegetal (que usamos no churrasco) e o carvão ativado está na porosidade deste último, que permite remover compostos químicos de águas residuais.

E assim, mesmo do menos nobre componente da família dos carbonos, surge a mais nobre missão: a de remediar a degradação ambiental causada pela espécie humana.

Senhoras e senhores, eu vos apresento o carbono: aquele que ocupa 19% de nosso corpo e está espalhado por todos os cantos do planeta nas mais diferentes formas. Carbono, um elemento essencial.

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.

Leia o texto anterior: O vaso e o oleiro

Helinando Oliveira é Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) desde 2004 e coordenador do Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos (LEIMO).

Helinando Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital