Eleições: o real retrato da exclusão Diversidades

segunda-feira, 10 setembro 2018
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Ricardo Alexino avalia a representatividade na política brasileira, onde a maioria dos candidatos é branca e heterossexual

A questão da representatividade dos segmentos das diversidades nas eleições deste ano é o tema dessa edição da coluna do professor Ricardo Alexino Ferreira. Segundo ele, o Brasil nunca teve equilíbrio de indivíduos das diversidades na constituição do Congresso. Dados do Superior Tribunal Eleitoral mostram que dos 28.561 candidatos apenas 10,8% se autodeclaram negros. A representatividade de negros, indígenas e amarelos ainda é considerada baixa. “Os números demonstram que não há representatividade de fato dos diferentes grupos étnicos no cenário político brasileiro”, analisa.

Em relação a população LGBT+ a situação é ainda mais grave. Para as eleições deste ano, apenas 52 candidatos transexuais e travestis concorrem a um cargo no Legislativo, conforme dados da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. No Congresso Nacional, apenas um deputado federal se identifica como homem gay cisgênero; não há parlamentar indígena ou senador negro.

As composições étnica e de identidade de gênero dos candidatos que pleiteiam uma vaga como parlamentar nas eleições deste ano sinalizam que o padrão dos anos anteriores será mantido, cita o professor.

Ouça a coluna:

A coluna Diversidades é atualizada às segundas-feiras. Ouça, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #Diversidades. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Ouça a coluna anterior: Menos burocracia para transgêneros alterar o nome

Ricardo Alexino Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital