O edifício inacabado da Ciência #HojeÉDiadeCiência

sexta-feira, 5 abril 2019

O papel da Ciência não é produzir verdades absolutas, mas criar o entendimento, o senso crítico que nos ajuda a enxergar a natureza como ela é

Imagine a situação: você mudou para um apartamento novo, mas ele ainda não está pronto. Alguns cômodos de sua nova morada estão em obras e, vez ou outra, quando desce de elevador até a garagem, você se depara com obras na fundação do prédio!

Parece um pesadelo, mas também pode ser visto como o dia-a-dia de um engenheiro civil, por exemplo, que “pula” de obra em obra, verificando o acabamento de um prédio, as fundações de outro. Para ele é o paraíso. É a “casa” em que ele vive todos os dias. É o seu trabalho.

De forma análoga, podemos dizer que um cientista também mora num edifício inacabado – que ele chama de Ciência. Sua “casa” também não está pronta, nem nunca estará, pois nenhuma Ciência é acabada. E de vez em quando algum colega de profissão ainda surge com propostas que podem alterar alguns alicerces do prédio.

Papel da Ciência

Para muitos de nós isso é incômodo. Desconfortável. Queremos que a Ciência traga respostas e produza verdades absolutas. A razão deve ser imutável, inquestionável. Mas o prédio que está acabado, onde não há nada mais a fazer e cujas colunas de apoio não podem sequer serem pintadas de outra cor fica ao lado – e se chama dogma.

É verdade que a própria Ciência tem seus dogmas – e também é moralmente ambígua. Mas nela a autoridade de um argumento é maior que o argumento de uma autoridade. De fato, não há autoridades na Ciência, quando muito, há especialistas.

O estado atual da Ciência é sempre provisório. Freqüentemente são testadas hipóteses, e sempre que necessário um assunto pode ser revisado e podem surgir novas hipóteses – desde que fruto de dados experimentais ou novas observações.

O papel da Ciência não é produzir verdades absolutas ou inquestionáveis, mas criar a faculdade do entendimento, o senso crítico que nos ajuda a enxergar a natureza como ela é – e não como gostaríamos que ela fosse.

A Ciência é como uma ferramenta que pode nos ajudar a tirar conclusões a respeito de nossas observações do Universo. Porém, essas conclusões não têm de ser definitivas.

Usando o cérebro

Ciência não é difícil de ensinar, nem de aprender. Nascemos cientistas. Curiosos pelo Universo que nos rodeia e fazendo perguntas sobre tudo. Temos mais perguntas que respostas. E nossas perguntas nunca – jamais – são tolas. O júbilo da descoberta nos impulsiona naturalmente a fazer novas perguntas.

Para quem sabe apreciar a Ciência usar o cérebro é um hábito – e eles nunca se sentem desconfortáveis por estarem vivendo no edifício inacabado da Ciência.

Seja um colaborador do Nossa Ciência
O portal NossaCiência precisa da sua ajuda para se manter online. Se você está aqui é porque se importa com a difusão do conhecimento científico e o progresso da nossa região por meio da Educação e da Ciência. Portanto – por favor – considere ser um colaborador. Você pode se cadastrar para contribuir mensalmente através do Pag Seguro usando o cartão de Crédito. Ou pode contribuir de outra forma, basta entrar em contato pelo e-mail redacao@nossaciencia.com.br informando seu telefone e nós podemos conversar. Ajude o Nossa Ciência!

 

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Leia o texto anterior: O outono austral

Leia também: Astronomia Zênite

José Roberto Costa

Uma resposta para “O edifício inacabado da Ciência”

  1. Thiago Jucá disse:

    Belíssimo texto, como inúmeros outros dessa Coluna!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital