O uso de extratores de solução do solo na agricultura O Mundo que queremos

sexta-feira, 23 julho 2021
Monitoramento da solução e controle da salinidade em campo cultivado.

Esses equipamentos são uma opção para o monitoramento da salinidade e controle da aplicação de fertilizantes em campos cultivados

Os extratores de solução são equipamentos que retiram parte da solução no solo cultivado, necessária para determinar o nível de salinidade e/ou de nutrientes e, evitar o acúmulo de sais e fertilizantes que causam a poluição ambiental quando aplicados em excesso.

Na agricultura, a prática de aplicação de água e fertilizantes é denominada de fertirrigação e, constitui-se em uma das técnicas que visam garantir a alta produtividade com a maior economia de água e adubos fertilizantes. Entanto, quando não se tem um controle adequado da quantidade de cada fertilizante aplicado via água de irrigação, o acúmulo de sais no solo ocorre com frequência.

Figura 1. Extrator de solução e instrumentos necessário para obtenção da solução de sais e fertilizantes no solo cultivado.

O problema da salinidade por excesso de fertilizantes aplicado para atender a demanda nutricional da cultura agrava-se nos cultivos em estufas plásticas – cultivo protegido – devido à ausência de precipitações no interior desses ambientes. Assim, a utilização de uma estratégia de controle da salinidade por intermédio da aplicação da fração de lixiviação (lâminas de irrigação em excesso para lixiviação dos sais) não seria a prática de manejo mais adequada, visto que os sais acumulados no solo, que seriam lixiviados, foram adquiridos por investimento de capital e, ainda podem poluir os corpos hídricos subterrâneos.

 

O teor de sais, ou seja, de fertilizantes no solo deve ser sempre inferior ao nível tóxico às plantas cultivadas e, deste modo, a manutenção da concentração da solução do solo a níveis inferiores ao máximo tolerado pela cultura e superiores ao mínimo necessário para sua nutrição, é uma prática considerada ideal, por ser mais econômica e com menor impacto ambiental negativo.

Neste contexto, faz-se necessário realizar o monitoramento contínuo da concentração iônica ao longo do ciclo dos cultivos, devido ao fato de haver variabilidade da salinidade do solo espacial e temporal. Neste monitoramento, deve-se verificar quais as fontes causadoras do acúmulo de sais no solo e, em seguida, elaborar estratégias de manejo e recuperação das áreas com problemas de salinidade.

A identificação dos solos com problemas de sais baseia-se em uma série de observações e estudos da área, incluindo características visuais de campo e diversas análises que são feitas, realizadas tanto em Laboratório como por métodos de campo. Em campo, o uso de extratores de solução de cápsula porosa é atualmente um dos mais recomendados ao agricultor em função da relação favorável entre custo e precisão do método.

Figura 2. Extrator de solução do solo instalado na zona radicular da planta e, esquema ilustrativo da interação da cápsula porosa e os sais oriundos da fertirrigação.

Extratores de solução são constituídos de cápsula de cerâmica porosa inserida na base de um tubo de PVC rígido opaco de ½” e outro transparente de 12 mm, com sua extremidade superior hermeticamente fechada com uma borracha de vedação de silicone. A cápsula de cerâmica é inserida no solo com uma leve pressão manual, sendo instalada na zona radicular da cultura.

Considerando que os extratores é um método rápido e não destrutivo de extração da solução no solo, em que se pode determinar, por meios de testes rápidos de campo, os níveis de nutrientes e sais no solo em tempo real e, assim tomar decisões para impedir o acúmulo de sais e as perdas de nutrientes como nitrogênio e potássio que, são considerados poluentes ambientais quando lixiviados abaixo da zona radicular. Os extratores de solução é excelente opção para manejar a fertirrigação e controlar a salinidade em áreas de cultivos, uma vez que permitem a obtenção de informação imediata sobre o acúmulo de sais fertilizantes no solo, sendo de fácil fabricação e uso.

 A coluna O mundo que queremos é atualizada quinzenalmente às quintas-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #omundoquequeremos. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Leia o texto anterior: Conheçam o TopoUfersa

Nildo da Silva Dias é Professor Associado da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa).

Nildo da Silva Dias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital