A oposição de Júpiter #HojeÉDiadeCiência

sexta-feira, 11 maio 2018

Na última quarta-feira, 9 de maio, Júpiter atingiu a sua oposição. Isso que significa que o planeta estava situado precisamente do lado oposto ao Sol, como visto por um observador terrestre

Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar, não revela toda sua grandeza quando visto a olho nu ou mesmo através de um pequeno telescópio. Mas ajuda se ele estiver “em oposição”. Essa é a ocasião em que o Rei dos Planetas encontra o Rei da Selva (isto é, a Terra)!

Com cerca de 140 mil quilômetros de diâmetro (tão largo quanto 11 Terras lado a lado), Júpiter tem 320 vezes mais massa que o nosso mundo, mas fica cinco vezes mais longe do Sol que a nossa casa. Por isso, Júpiter ainda continua parecendo apenas uma estrela brilhante no céu noturno.

Brilho máximo

Mas na última quarta-feira, 9 de maio, Júpiter atingiu a sua oposição. Isso que significa que o planeta estava situado precisamente do lado oposto ao Sol, como visto por um observador terrestre.

Assim, para ver um planeta em oposição temos de olhar na direção oposta ao Sol, daí o nome. E se você não viu ainda dá tempo. As semanas em torno da oposição são sempre as melhores para observar um planeta. Nessas condições, o astro passeia a noite inteira pelo céu, porque nasce justo quando o Sol se põe. Além disso, por estar relativamente mais próximo, ele brilha com o máximo de luz solar que consegue refletir.

Olhando para o céu

É fácil encontrar Júpiter entre as estrelas do céu noturno nesta época. Com um céu limpo, sem muitas nuvens, olhe para o horizonte Leste (o lado do nascente) logo após o anoitecer. Não vai ser difícil distinguir uma estrela branca e brilhante bem na sua frente. Não é uma estrela. É ele: o planeta Júpiter.

Tamanho de Júpiter comparado à Terra.

Um pouco mais tarde você também conseguirá ver, mais abaixo de Júpiter, uma estrela com brilho avermelhado. Aí é uma estrela mesmo. Mas não é “uma qualquer”. Trata-se de Antares, a estrela mais brilhante da constelação do Escorpião – e simplesmente uma das maiores de toda galáxia. Se Júpiter equivale, em tamanho, a 11 planetas Terras lado a lado, Antares humilha: alinhe 1766 sóis e você terá uma ideia do tamanho real dessa estrela.

Espetáculo silencioso

As oposições de Júpiter acontecem aproximadamente a cada 13 meses. Numa boa oposição, Júpiter pode atingir até quase -3 de magnitude (a magnitude é uma escala de brilho dos astros; pode ser um número positivo ou negativo e, quanto menor, mais brilhante).

Júpiter é um espetáculo silencioso no céu, superado somente por Vênus – a popular “Estrela d’Alva. E se você tiver uma luneta ou telescópio vai poder ver as faixas escuras de sua atmosfera junto com as quatro maiores luas que giram ao redor desse mundo gigante.

Mas não se engane. Júpiter pode ser observado (a olho nu ou com instrumentos) todos os anos. Na oposição a sua observação fica apenas mais favorável – e democrática!

Júpiter e Vênus visíveis a olho nu. Reprodução/NASA

 

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Leia o texto anterior: Maio, o mês do cruzeiro.

 

José Roberto de Vasconcelos Costa

Os comentários estão desativados.

Site desenvolvido pela Interativa Digital