Tijolo ecológico: construir sem agredir o meio ambiente SCIARÁ

quarta-feira, 20 junho 2018
Alguns tipos de tijolos ecológicos. Foto: Ecotijolos.

Projeto de estudante do IFCE estimula produção de tijolos sem queima, evitando o desmatamento. Produto é mais resistente e durável que o convencional

O projeto “Produção de tijolo ecológico” está sendo desenvolvido no campus de Juazeiro do Norte do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), sob orientação do professor Carlos Régis Torquato. De acordo com o aluno Danilo Acácio, do curso de Tecnologia em Construção de Edifícios, à frente da iniciativa, a proposta é difundir para a população que a fabricação de tijolos ecológicos é simples e não prejudica o meio ambiente.

Apesar de o custo do tijolo ecológico (R$0,61) ser um pouco superior ao do tijolo tradicional (que custa R$0,43), o custo final da obra é menor (aproximadamente 30% inferior), pois há menos demanda de cimento. Além disso, é preciso considerar também que a produção de tijolos tradicionais contribuiu para o desmatamento, pois para a produção de mil tijolos são utilizadas de oito a doze árvores.

Para produzir o tijolo ecológico do tipo solo-cimento é utilizada uma mistura de solo arenoso, solo argiloso, água e cimento. Em seguida, a mistura é colocada em uma prensa, que dá forma e resistência e o tijolo passa pelo processo de hidrocura, recebendo água durante sete dias. Danilo ressalta que por não necessitar de queima, como o tijolo tradicional, não é produzido dióxido de carbono e o produto final é mais durável e resistente que o convencional.

Segundo o professor Carlos Régis, eles já estudam outros resíduos da construção civil com possibilidade de utilização como matéria-prima para a produção de tijolos ecológicos, uma vez que muitos resíduos são descartados de forma incorreta, com sérios impactos ambientais.

Saiba mais sobre a produção de tijolos ecológicos no site do IFCE.

* Com informações do IFCE

A coluna SCIARÁ de Giselle Soares é atualizada semanalmente. Leia, opine, compartilhe, curta. Use a hashtag #Sciará. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia).

Leia o texto anterior: Análise do potencial farmacêutico de espécies da Caatinga

Giselle Soares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital