Um passeio pela Seara da Ciência SCIARÁ

quarta-feira, 21 março 2018
Fachada da Seara da Ciência, na entrada do Campus do Pici da UFC. Foto: PIBID Física/IFCE Sobral.

O espaço de divulgação científica desde o ano 2000 promove ações educativas com linguagens distintas, voltadas, principalmente, a estudantes de ensino fundamental e médio de escolas públicas do Ceará

Quem passa pela entrada do campus do Pici da Universidade Federal do Ceará depara-se com uma fachada curiosa. A réplica de um dinossauro no topo do prédio chama atenção do mais desatento dos transeuntes. Trata-se de um Angaturama limai – dinossauro que vivia há 110 milhões de anos na Chapada do Araripe, no interior do Ceará. Estamos na Seara da Ciência, espaço de divulgação científica da Universidade Federal do Ceará, que desde o ano 2000 promove diversas ações educativas com linguagens distintas, voltadas, principalmente, a estudantes de ensino fundamental e médio de escolas públicas do Ceará, sem descartar escolas particulares e o público em geral. Em média, são recebidos, por ano cerca de 30 mil pessoas.

Salão de exposições da Seara, com diversos equipamentos interativos à disposição dos visitantes. Foto: Giselle Soares

 

Criada em 1999, por iniciativa de um grupo de professores da UFC, a Seara promove diversas ações de divulgação científica, como cursos básicos de Biologia, Física, Química, Matemática e Astronomia, ofertados a alunos de Ensino Médio de escolas públicas de Fortaleza, feiras de ciência, peças teatrais, vídeos, entre outras iniciativas. O lema da Seara é “proibido não mexer”, um convite à exploração da curiosidade e a interação dos visitantes com os equipamentos do salão de exposições.

Com o Angaturim, mascote da Seara da Ciência. Foto: acervo pessoal.

Logo na entrada da Seara, o visitante encontra o Angaturim, mascote da instituição, inspirado no Angaturama limai, pronto para fotos e selfies com o público. Mesmo para os adultos é difícil resistir à tentação.

A produção teatral é um ponto forte da Seara, desde a sua criação. As peças são elaboradas por professores colaboradores ou pelos próprios bolsistas, com supervisão da equipe de professores. Além de participar de mostras nacionais e de levar peças e esquetes a outras cidades, o espaço promove sua própria mostra: a Seara Teatral, cuja 3ª edição foi realizada no fim de 2017, contemplando  15 peças e atingindo 355 pessoas.

Nas visitas agendadas, após o passeio pelo salão, o público assiste ao show “Magia da Ciência”, com duração de 30 minutos, que aborda, de maneira lúdica, reações químicas e fenômenos da Física. Sem dúvida um passeio obrigatório para quem visita ou mora em Fortaleza.

Peça “Lampião e Maria Bonita em busca da química do amor”. Foto: Divulgação/Seara da Ciência.

 

A coluna SCIARÁ de Giselle Soares é atualizada semanalmente. Leia, opine, compartilhe, curta. Use a hashtag #Sciará. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia).

Leia o texto anterior: Os ansiolíticos na saúde mental das mulheres, da mesma autora.

 

 

Giselle Soares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital