A Lua e o dragão #HojeÉDiadeCiência

sexta-feira, 16 agosto 2019

O aspecto da Lua se modifica diariamente e ocorre a revolução sinódica ou lunação

Podemos ver muitas figuras familiares na Lua Cheia. Um coelho, uma formiga, uma senhora sentada com um livro nas mãos. Na tradição popular, a Lua é o lar de São Jorge e o dragão. Um dragão também é “responsável” pelos eclipses, “engolindo” sucessivas partes do satélite durante esses fenômenos. Fazer barulho assusta o dragão, que vai embora e cospe de volta a nossa Lua. E afinal isso sempre dá certo, porque os eclipses não duram muito tempo.

A imaginação humana é fértil. Mas é a própria natureza quem nos inspira. O aspecto da Lua se modifica diariamente. Demorou algum tempo até que percebêssemos que isso se devia tão somente a posição relativa entre Lua, Terra e Sol.

A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente à medida que ela se move em torno da Terra. Um ciclo completo leva 29 dias e meio. Chamamos esse período de revolução sinódica ou lunação.

As fases lunares ocorrem ao mesmo tempo não importando a localização do observador no planeta. Porém, elas não são percebidas da mesma forma. No hemisfério Norte o aspecto da Lua é invertido em relação ao visto por um observador no hemisfério Sul.

Aprendendo a identificar

Quando é Lua Nova dizemos que ela está em conjunção com o Sol. Nessa ocasião os raios solares atingem o satélite “por trás” e, da Terra, nada vemos. A Lua nasce por volta das seis horas da manhã e se põe lá pelas seis da tarde. Os eclipses do Sol acontecem somente nessa fase.

Cerca de sete dias e meio depois a Lua deslocou-se 90° em relação ao Sol e está na quadratura ou primeiro quarto. É o Quarto Crescente. A Lua nasce ao meio-dia e se põe à meia-noite, aproximadamente. Seu aspecto é o de um semicírculo voltado para o Oeste.

Quinze dias depois da Lua Nova dizemos que ela está em oposição ao Sol. É a Lua Cheia. Os raios solares incidem verticalmente sobre o nosso satélite natural – e por isso essa é a pior ocasião para observar a Lua com telescópio! A Lua assume a forma de um disco prateado, refletindo para a Terra cerca de 7% da luz que recebe do Sol. A Lua Cheia é visível durante toda a noite, nascendo por volta das dezoito horas e se pondo às seis da manhã. Somente numa noite de Lua Cheia pode acontecer um eclipse lunar.

Uma nova quadratura surge quando a diferença angular é de 270°. Neste dia o aspecto da Lua é de um semicírculo voltado para o Leste. É o Quarto Minguante, quando a Lua nasce por volta da meia-noite e se põe perto do meio-dia.

Porcentagens de luz

Em qualquer fase intermediária podemos imaginar o lado iluminado da Lua como sendo um grande arco. A flecha dele disparada irá sempre atingir o Sol, indicando sua direção, mesmo que o astro-rei não esteja mais acima do horizonte.

Muitas agendas de compromissos citam as fases lunares erroneamente, dando a entender que todos os dias a Lua se encontra em alguma das 4 fases principais: Nova, Crescente, Cheia ou Minguante.

No entanto, a porcentagem de luz que vemos incidindo no astro, aquilo que caracteriza cada fase, é uma situação que com duração bastante limitada. Na maior parte dos dias do mês a Lua vai estar “crescendo” ou “minguando”. Mas isso não é a fase da Lua Crescente ou Lua Minguante. A rigor, os nomes que usamos para as 4 fases se aplicam apenas a dias (e horários) específicos.

Leia também: A Terra sem Lua

Gostou da coluna? Do assunto? Quer sugerir algum tema? Queremos saber sua opinião. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag #HojeeDiadeCiencia.

Leia o texto anterior: A saga de Andrômeda

Leia também: Astronomia Zênite

José Roberto Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital