Brasil sofre de amnésia cultural e histórica Diversidades

segunda-feira, 1 julho 2019

Colunista fala do esquecimento associado a formas de discriminação e lembra a história da atriz Ruth de Souza

Nesta edição da coluna Diversidades, o professor Ricardo Alexino trata da “amnésia cultural e histórica” sofrida pelo Brasil, relacionando-a à história pouco contada da atriz brasileira Ruth de Souza, primeira mulher negra a atuar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a ser indicada a um prêmio internacional de cinema, dentre outros feitos pioneiros.

Para Alexino, essa amnésia que o País sofre é direcionada. “Associado ao racismo, ao sexismo, à homofobia e a outras formas de discriminação, o esquecimento assume formas convenientes, para não se contar histórias de determinados segmentos”, afirma.

Ouça a coluna:

Crédito: Rádio USP

A coluna Diversidades é atualizada às segundas-feiras. Ouça, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #Diversidades. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Ouça a coluna anterior: O lado oculto da princesa Isabel

Ricardo Alexino Ferreira

Uma resposta para “Brasil sofre de amnésia cultural e histórica”

  1. Gláuciio Brandão disse:

    Registro aqui toda minha admiração por esta nobre, bela e impactante mulher negra brasileira.

    Como negro e brasileiro, concordo apenas em parte com a frase do Prof. Ricardo Alexino, de que “essa amnésia que o País sofre é direcionada”.

    Em parte porque, parafraseando as palavras de Abraham Lincoln para resumir meu ponto de vista, “Você só pode ser chamada de imbecil com o seu consentimento!”. Nós, brasileiros, de uma forma geral, permitimos isto todo dia.

    Independentemente das “classes dominantes”, nós, “minorias”, não nos damos ao devido valor. Preferimos futebol ao estudo, Faustão aos livros, BBB aos documentários, reeleger quem já nos sabotou por pura ideologia. Exemplos não faltam!

    Assim, negro há 50 anos, posso garantir que parte dessa amnésia é oriunda e dirigida, principalmente, pelos próprios negros, homossexuais, mulheres etc., etc., etc.

    Parabéns por levantar este ponto de vista, Prof. Alexino, e vida longa à nossa querida Sacerdotisa Ruth de Souza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital