O lado oculto da princesa Isabel Diversidades

segunda-feira, 24 junho 2019

Livro critica e reavalia a relação da princesa com o fim da escravidão

Farsante histórica, travestida de redentora, escravista que assinou a abolição da escravatura por pressões políticas e não por convicções. Assim o livro escrito por Mary del Priore e publicado pela Editora Rocco, intitulado O Castelo de Papel analisa e reavalia a figura da princesa Isabel considerada o mito de “ícone de bondade”, reforçado por uma “história romanceada da abolição”.

Para o professor Ricardo Alexino Ferreira a resenha concentra-se na crítica ao perfil favorável associado historicamente à princesa regente Isabel, responsável pela assinatura da lei que aboliu a escravidão no Brasil, em 1888. “Ela tratava os escravos como serviçais, chamando-os de negrinhos”, cita Alexino. “Há um caso de um escravo já acometido pela tuberculose e Isabel negou a ele a alforria”.

Ouça a coluna:

Crédito: Rádio USP

A coluna Diversidades é atualizada às segundas-feiras. Ouça, opine, compartilhe e curta. Use a hashtag #Diversidades. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br).

Ouça a coluna anterior: Rosa Parks e a luta pelos direitos civis dos negros

Ricardo Alexino Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital