Saúde única Ciência Nordestina

terça-feira, 14 agosto 2018

O conceito propõe um olhar integrado entre saúde animal, ambiental e humana, onde os problemas sejam encarados num contexto interdisciplinar

A consolidação do capitalismo fez com que os valores na espécie humana fossem completamente invertidos. O consumismo nos fez acreditar que o sucesso é pré-requisito para a felicidade da mesma forma que nos ensinou a dar soluções privadas para problemas coletivos, sempre acreditando que o dinheiro pode tudo comprar.

No entanto, o isolamento nos condomínios de luxo não reduz os índices de violência urbana, assim como os planos de saúde privados não impedem as pandemias. Afinal, o planeta é uma só aldeia. A evolução da tecnologia permitiu com que a migração entre continentes passasse a ser intensa e rápida. Da mesma forma, conduziu o planeta a um estado de degradação extrema, promovendo desequilíbrio ambiental sem precedentes.

E a nossa espécie fez tudo isso sem perceber que o cruzamento das condições de saúde humana, de animais e do meio ambiente definem a saúde de um todo conforme uma grande equação indissociável.

O conceito de saúde única (do inglês One Health) promove um olhar integrado entre saúde animal, saúde ambiental e saúde humana, como forma de abordar causa e efeito de uma série de problemas complexos que envolvem os três eixos. Como ilustração, vale a pena rever as matérias anteriores de nossa coluna.

Como saber se tem antibiótico na minha comida

Detergente para superbactérias

Um dos mais importantes conceitos da saúde única, sem dúvidas, se refere à necessidade de focar os problemas no contexto interdisciplinar. Com isso, a saúde deixa de ser atribuição apenas das ciências da saúde e passa a ser abraçada também por todas as áreas de conhecimento.

O compromisso com uma nova concepção de planeta depende de todos. Isso significa praticar a economia circular e reverter o processo de destruição do meio ambiente induzido pelo modo de produção dominante.

Infelizmente esta decisão não está totalmente em nossas mãos. O poder hegemônico global pode decidir sobre a extinção da espécie humana ou não. Caso decida reverter a tendência atual, será na ciência que buscará as soluções. Cabe então aos cientistas trabalhar de forma integrada e mostrar que a saúde de cada um afeta a saúde de todos e que o trabalho integrado de profissionais de diferentes áreas é fundamental para o pouco de esperança que ainda resta para a vida humana neste planeta. É crítico que neste momento seja trabalhada a questão ambiental em conjunto com a produção animal e a saúde humana. É fundamental consciência política, para que não sejamos a primeira nação do planeta a ser exterminada pelo uso de agrotóxicos. É preciso resistência, conhecimento… É preciso união.

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.

Leia o texto anterior: Bodas de ouro

Helinando Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital