Homo cientificus quer pensar o Rio Grande do Norte Especial

segunda-feira, 15 julho 2019
(Foto: A partir de edição de vídeo de Cleo Kozerski)

Renan Medeiros propõe que a academia assuma atitude política de planificar e melhorar o estado

Com 29 anos de doutoramento, o professor José Renan Medeiros tem trajetória e carreira científica das mais exitosas. Presente no Nossa Ciência em Debate, o professor do Departamento de Física Teórica e Experimental da Universidade Federal do Rio Grande fez ácidos comentários sobre a relação da ciência com a política. “Ciência é uma atividade política, mas não pode ser tratada como uma atividade politiqueira”, opinou.

Em sua fala, Medeiros apresentou dados, estabelecendo relação entre o número de doutores e de presidiários no Brasil. Ele informou que são 180 mil doutores e 800 mil presidiários, classificando de horrorosos esses números. “Eu acompanho esse número nos últimos 10 anos, desde quando eu fui à Capes a primeira vez como avaliador.”

O outro dado apresentado pelo pesquisador foi o número de pesquisadores de produtividade no CNPq que atuam no Rio Grande do Norte. São 208, dos quais apenas oito estão no topo dessa classificação (veja tabela). Para o professor, esses números mostram que há alguma coisa errada e que a eles há uma vertente associada pouco percebida pela sociedade e também pela comunidade acadêmica. É a falta de compreensão por parte dos governos do uso social da ciência para a resolução dos problemas do Estado.

Aposentando governos

Dados apresentados pelo professor Renan Medeiros, durante o Nossa Ciência em Debate

“Nunca conheci um governador que tivesse uma equipe que visualizasse o que é ciência, que visualizasse que ciência e desenvolvimento humano andam pari-passu.” Ao afirmar que nos últimos 30 anos a política não tem sabido fazer bom uso da ciência, Renan não poupou o governo Fátima Bezerra. Em sua opinião, ninguém planifica o Rio Grande do Norte. E os problemas da sociedade brasileira estão associados ao tratamento que se dá à ciência, seja a nível nacional, seja a nível local. “É por isso que nós estamos onde estamos.”

Definindo-se como homo cientificus, o pesquisador garantiu que foi observando as políticas governamentais e “aposentando secretários e governadores”, que caíram no esquecimento, enquanto a ciência continua fazendo seu trabalho.

O pesquisador criticou com veemência o fato gestores públicos e também da academia no Rio Grande do Norte fazerem referência apenas às áreas cientificas que estudam e potencializam a produção de minério e queijo. “Não tem nada mais do que isso?”, questionou.

Na condição de membro titular da Academia Brasileira de Ciências, único do Rio Grande do Norte, Renan Medeiros convidou o Nossa Ciência a organizar um evento para pensar o Rio Grande do Norte, a partir do lugar de fala da ciência. “Pensando o Futuro, imaginando o futuro, vamos ousar planificar nós o Rio Grande do Norte, o planejamento do eu não funciona, nunca funcionou e jamais funcionará,” defendeu, garantindo que outras instituições como a SBPC tem grande interesse nessa ideia.

Leia também: Para ex-reitora da UFRN, momento de crise exige projetos fortes, grandes e importantes.

Mônica Costa

Uma resposta para “Homo cientificus quer pensar o Rio Grande do Norte”

  1. Gláucio Bezerra Brandão disse:

    Saudações prezado professor, e colega de tabela, José Renan!
    Coaduno em 101% com sua exposição.

    Há 13 anos na UFRN tentando implantar o empreendedorismo científico, como pode ser visto em minha coluna “Empreendedorismo Inovador”, cuja voz finalmente foi levada aos quatro cantos graças às corajosas Jornalistas da Nossa Ciência – o meu muito obrigado -, venho colecionado apenas desafetos e sabotagens.

    Enquanto tivermos uma academia politicamente ideológica, seja pra que lado for, vamos servir apenas aos interesses escusos de grupos indefiníveis.

    Obrigado por dar voz aos meus sentimentos.

    Sigamos.

    Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site desenvolvido pela Interativa Digital